LIVROS E LIVROS

Poesia

Edmilson de Almeida Pereira - Poesia + (antologia 1985 - 2019)
Arcaico, informe, ancestral. Três caminhos, três termos que apontam, sem defini-los completamente, os compromissos de um poeta e os traços de uma poética. Palavras-passe para uma poesia exigente, senhas de uma arte que se entrega aos poucos, enrodilhada sobre si, feita de voltas no tempo, torções na linguagem, retomadas simultâneas, no tecido do poema, de múltiplas tradições – da África às Américas da diáspora, da Europa e além. A obra poética de Edimilson de Almeida Pereira, repassada cuidadosamente – e acrescida – na ant...

Ensaio

Marcos Antônio Alexandre - O teatro negro em perspectiva: dramaturgia e cena negra no Brasil e em Cuba
Em sua Crítica da razão negra (2014), o filósofo camaronês Achille Mbembe demonstra em detalhes o quanto os sentidos outrora hegemônicos da palavra “negro” foram construídos, desde o século XV, pelo Ocidente interessado em fazer dos africanos não apenas mercadoria mas, sobretudo, força de trabalho submissa. E relata como o predomínio dos interesses do capitalismo mercantil em sua expansão ultramarina levou à convicção na infra-humanidade do negro, crença fundamentada em inúmeras narrativas – tanto triviais e lendárias, quanto...

Infantojuvenil

Patricia Santana - Entremeio sem babado / Minha mãe é negra sim / Cheirinho de neném
A representação do negro na literatura infantojuvenil é recente, iniciada nas décadas de 20 e 30 do século XX, com personagens secundárias dentro do espaço diegético ou como parte da cena doméstica cujas ações evidenciavam e reiteravam uma posição subalterna do negro. Conforme Souza & Lima (2006, p. 188), “os personagens negros não sabiam ler nem escrever, apenas repetiam o que ouviam, ou seja, não possuíam o conhecimento considerado erudito e eram representados de um modo estereotipado e depreciativo”. É mais recen...

Memória

Carolina Maria de Jesus - Casa de alvenaria, vol. 1 e 2Carolina de Jesus na Casa de alvenaria       Aline Alves Arruda¹         Como é horrível viver em São Paulo parece que eles não admite que uma favelada tenha conseguido uma casinha eu sou uma amostra queDeus apresenta a humanidade, comprovando que a humanidade, é egoísta. Carolina Maria de Jesus 08 de fevereiro de 1961               Após um longo tempo esquecida, desde que Carolina Maria de Jesus voltou a ser lembrada, lida e mais estudada (o que acredito tenha acontecido, principalmente, depois do seu centenário em 2014), ela é marcada apenas pelo seu “best seller” Quarto de despejo, publ...

Newsletter

Cadastre aqui seu e-mail para receber periodicamente nossa newsletter e ficar sempre ciente das novidades.

 

Instagram

 

YouTube