DADOS BIOGRAFICOS

 

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 1839, na cidade do Rio de Janeiro, no Morro do Livramento. Mestiço, filho de Francisco José Machado de Assis e D. Maria Leopoldina Machado de Assis, ambos agregados de uma pequena propriedade rural. A criança teve como madrinha de batismo Dona Maria José de Mendonça, viúva de Bento Barroso Pereira, que havia sido senador, oficial do exército e ministro, e, como padrinho, o Oficial da Ordem Imperial do Cruzeiro o Sr. Joaquim Alberto de Souza. Entre a casa rica da madrinha, e a casa pobre dos pais, Machado de Assis passou a infância. Ficou órfão de mãe ainda criança, encontrando a afeição materna na madrasta, uma mulata de nome Maria Inês.

A criança, que se tornaria o maior escritor da literatura brasileira, não teve durante a infância uma educação escolar contínua, estudou como pôde, tendo como primeira mestra a própria madrasta e muitas vezes desvendando sozinho os mistérios da língua nacional. Quando tinha 12 anos, foi surpreendido pelo falecimento do pai. Consta que, para sobreviverem, Maria Inês, a madrasta, fazia quitutes, que o menino vendia pelas ruas do bairro São Cristóvão, onde residiam.

Ainda na adolescência, teve oportunidade de estudar francês ao freqüentar assiduamente a casa de uma família estrangeira. Conforme salienta Lúcia Miguel Pereira, biógrafa do escritor, ele “metia-se na sua roupinha surrada, esforçando-se por não gaguejar, corria para a casa de Mme. Gallot apenas tinha uma folga e lá ficava, a falar, a conversar, todo ouvidos, todo atenção, certo de que assim estava preparando o futuro”. (PEREIRA, 1988: 44). Comenta-se ainda que tenha sido coroinha da Igreja da Lampadosa.

Quando tinha por volta dos 16 anos, foi aprendiz de tipografia, ofício que exerceu na Imprensa Nacional, até os 19 anos. Trabalhou ainda na Livraria Paula Brito, reduto dos intelectuais cariocas, onde iniciou os primeiros contatos com críticos, poetas e jornalistas da época, além de ter acesso aos grandes clássicos da literatura universal. No periódico editado por Brito, A Marmota Fluminense, saiu a primeira publicação de Machado, o poema “Ela”, com data de 12 de janeiro de 1855. Mais tarde, fez carreira como funcionário público, tendo sido, por um período de quinze anos, chefe da segunda seção da Diretoria da Agricultura do Ministério da Agricultura. Segundo Sidney Chalhoub (2003:10), um dos “principais assuntos da seção” era a escravidão e os processos relativos à “aplicação da lei de 28 de setembro de 1871, depois apelidada Lei do Ventre Livre”.

Colaborou na imprensa em periódicos tais como Correio Mercantil e Semana Ilustrada. Foi no jornal que Machado iniciou sua carreira como escritor, e em 1859 vêm a público suas primeiras crônicas. Em 1864, estréia na poesia com Crisálidas. Seis anos mais tarde, começa a trilhar o caminho da prosa de ficção, com a publicação de Contos fluminenses, ao qual se segue Ressurreição – seu primeiro romance. Este não logrou sucesso, pois foi (e ainda é) criticado por apresentar um enredo simples, que se desenrola em torno do casal, quase uma crônica de costumes.

Em 1866, chega ao Rio de Janeiro a senhorita Carolina Novais, irmã de Faustino Xavier de Novais, poeta satírico português de quem Machado havia ficado íntimo. O namoro entre o escritor e a portuguesa firmava-se, apesar da oposição da família, reduzida aos três irmãos, que a essa altura já estavam instalados na cidade. A respeito desse fato, Pereira comenta:

“Não se podiam os portugueses conformar em ver a irmã unir-se a um mulato. Era a cor de Machado a única alegação que contra ele faziam, mostrando destarte ignorar-lhe completamente a doença [a epilepsia], sem o que teriam lançado mão de mais esse argumento”. (PEREIRA, 1988: 112)

Apesar das forças contrárias, Carolina e Machado casaram-se em 12 de outubro de 1869 e viveram juntos por 35 anos. Durante a vida matrimonial, ela foi esposa exemplar, dedicando sua vida a cuidar do marido e da doença que o acometia, a acompanhar a sua produção literária, muitas vezes, servindo-lhe de revisora.

Em 1885, vem a público a Revista Brasileira – periódico dirigido por José Veríssimo – do qual faziam parte ilustres literatos: Machado de Assis, Taunay, Joaquim Nabuco, Silva Ramos, Lúcio de Mendonça, Graça Aranha, José Veríssimo, Inglês de Sousa, João Ribeiro e Sousa Bandeira, que se reuniam para discutir literatura. Dessas reuniões surgiu a idéia de fundar uma associação literária para oficializar os encontros desses escritores. Em 1886, nascia então a Academia Brasileira de Letras, tornando-se Machado o seu primeiro presidente eleito – posto que ocupou de 1897 até seu falecimento em 29 de setembro de 1908. A decisão de dar ao escritor o cargo é assim justificada pela sua biógrafa:

“Não só era o maior escritor vivo, como desde a mocidade se empenhara em congregar os homens de letras. Além disso, a sua crença na missão da literatura faria dele, como fez, o mais votado dos presidentes, o homem talhado para dirigir uma associação literária”. (PEREIRA, 1988: 214)

Machado perdeu a esposa em 1904, vítima de um tumor no intestino. Viúvo e solitário, apesar de contar com a presença dos amigos, tais como José Veríssimo, Joaquim Nabuco, e principalmente Mário de Alencar, que conhecera ainda menino quando da amizade com o pai, José de Alencar, o escritor tornava-se mais introspectivo. Com o falecimento da mulher, agravaram-se as crises epilépticas. Além disso, sua visão tornava-se cada vez mais debilitada, passou a sofrer de problemas do intestino e de uma úlcera na língua, provavelmente de fundo canceroso, proveniente do fato de mordê-la durante as convulsões. Apesar da enfermidade, continuava a produzir. Em julho de 1908, publicou seu último livro Memorial de Aires, considerado o mais biográfico de seus textos. Em 29 de setembro de 1908, faleceu o escritor, em sua residência, rodeado de amigos.

Nota: a foto acima, de autoria dos irmãos Bernardelli, foi retirada da terceira edição do livro Machado de Assis desconhecido, de Raymundo Magalhães Jr. (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957, p. 321). Para o autor, este é “um dos melhores e mais fiéis retratos de Machado de Assis, - porque sem retoque, - até agora inédito [...]. Serviu de modelo a um desenho de bico de pena e guache de Henrique, que, no entanto, branqueou as feições do grande escritor”. 


PUBLICAÇÕES

Obra individual

Queda que as mulheres têm para os tolos. Rio de Janeiro: Paula Brito, 1861. (teatro)

Desencantos. Rio de Janeiro: Paula Brito, 1861. (comédia)

Hoje avental, amanhã luva, 1861. (teatro)

Teatro (O caminho da porta, O protocolo). Rio de Janeiro: Tip. do Diário do Rio de Janeiro, 1963.

Quase ministro. Rio de Janeiro: Tip. da Escola, [1864?]. (Teatro).

Crisálidas. Rio de Janeiro: Garnier,1864. (Poesia).

Os deuses de casaca. Rio de Janeiro: Instituto Artístico, 1866. (teatro)

Falenas. Rio de Janeiro: Garnier, [1870?]. (poesia)

Contos Fluminenses. Rio de Janeiro: Garnier, 1872. (contos)

Ressurreição. Rio de Janeiro: Garnier, 1872. (romance)

Histórias da meia-noite. Rio de Janeiro: Garnier, 1873. (contos)

A mão e a luva. Rio de Janeiro: Editores Gomes de Oliveira & C., Tipografia do Globo, 1874. (romance)

Americanas. Rio de Janeiro: Garnier,1875. (poesia)

Helena. Rio de Janeiro: Garnier, 1876.(romance)

Iaiá Garcia. Rio de Janeiro: G. Viana & C., 1878. (romance).

Memórias Póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1881. (romance)

Tu, só tu, puro amor. Rio de Janeiro: Lombaerts & Cia, 1881. (comédia)

Papéis avulsos. Rio de Janeiro: Livraria Lombaerts & C., 1882. (contos)

Histórias sem data. Rio de Janeiro: Garnier, 1884. (contos)

Quincas Borba. Rio de Janeiro: Garnier, 1891. (romance)

Várias histórias. Rio de Janeiro, São Paulo: Laemmert & Co. Editores, 1896. (contos).

Dom Casmurro. Rio de Janeiro: Garnier, 1899. (romance)

Páginas recolhidas. Rio de Janeiro, Paris: Garnier, 1899. (contos)

Poesias completas. Rio de Janeiro: Garnier, 1901.

Esaú Jacó. Rio de Janeiro, Paris: Garnier, Livreiro-Editor, 1904. (romance).

Relíquias de casa velha. Rio de Janeiro: Garnier, 1906. (contos).

Memorial de Aires. Rio de Janeiro, Paris: Garnier, 1908.(romance).

 

Obras póstumas

Crítica. (Org. Mário de Alencar). Rio de Janeiro: Garnier, 1910.

Outras Relíquias. (Seleção de Mário de Alencar). Rio de Janeiro: Garnier, 1910.

Teatro (O caminho da porta; O protocolo; Quase Ministro; Os deuses de casaca; Tu só, tu puro amor; Não consultes médico; Lição de botânica). Rio de Janeiro: Garnier, 1910.

A Semana. (Org. Mário de Alencar). Rio de Janeiro: Garnier, 1914.

Estante Clássica. Vol. II: Machado de Assis. (Dirigida por Laudelino Freire). Rio de Janeiro: Tipo-Lito R. Robe, 1921.

Pensamentos de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Editora Brasileira, 1923.

Conceitos e pensamentos de Machado de Assis. (Colhidos por Júlio César da Silva). São Paulo: Cia. Gráfico-Editora Monteiro Lobato, 1925.

Cartas de Machado de Assis e Euclides da Cunha. (Coligidas por Renato Travassos). Rio de Janeiro: Waissman, Reis & Cia., 1931.

Correspondência de Machado de Assis. (Coligida e anotada por Fernando Néri). Rio de Janeiro: Américo Badeschi Editor, 1932.

Novas Relíquias. (Organização Fernando Néri). Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1932.

Páginas esquecidas. (Organização Elói Pontes). Rio de Janeiro: Editora Casa Mandarino, 1939.

O Alienista. Lisboa: Editorial Inquérito, 1941.

Pensamento vivo de Machado de Assis. (Prefácio de Hélio Sodré). Rio de Janeiro: Ed. Curiosidade, 1942.

Casa velha. (Introdução de Lúcia Miguel Pereira). São Paulo: Martins, 1944.

Machado de Assis romancista. (Seleção, prefácio e notas de Armando Correia Pacheco). Washington: União Pan-Americana, 1949.

Contos escolhidos. Rio de Janeiro, Edições Miniatura, s/d.

Machado de Assis (Org. e prefácio de Otávio Mangabeira). Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1924.

Adelaide Ristori. Folhetins. (Org. Barbosa Lima Sobrinho). Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1955.

Idéias e imagens de Machado de Assis. (Org. e prefácio de R. Magalhães Júnior). Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1956.

Contos esquecidos. (Org. e prefácio de R. Magalhães Júnior). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1956.

Contos avulsos. (Org. e prefácio de R. Magalhães Júnior). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1956.

Contos sem data. (Org. e prefácio de R. Magalhães Júnior). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1956.

Diálogos e reflexões de um relojoeiro. (Org. e prefácio de R. Magalhães Júnior). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1958.

Crônicas de Lélio. (Org. e prefácio de R. Magalhães Júnior). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1958.

Prosa e poesia. (Org. e prefácio de J. Galante de Sousa). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

Histórias Reais. (Introdução e seleção de Fernando Góis). São Paulo: Cultrix, 1958.

 

Antologias

Obras completas. Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1937. (31 volumes)

Obras completas. Rio de Janeiro: Editora Aguilar, 1959. (3 volumes)

Obras completas. 9 ed. Rio de Janeiro: Editora Aguilar, 1997. (3 volumes)

Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Vol. 1, Precursores. Organização de Eduardo de Assis Duarte. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.


TEXTOS

 


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

BASTOS, Adauri. Machado de Assis: num recanto, um mundo inteiro. Rio de Janeiro: Garamond / FBN, 2008.

BASTOS, Adauri. A vida literária de Machade de Assis e o negro em seu tempo. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

BATISTA, Abel Barros. A formação do nome: duas interrogações sobre Machado de Assis. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003.

BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

BIM, Leda Marana. Amor e morte: uma comparação dos contos “Pai contra mãe” e “Mariana”. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

BLOOM, Harold. Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

BOSI, Alfredo. Machado de Assis: o enigma do olhar. São Paulo: Ática, 2003.

BROCA, Brito. Jornalismo político, A escravidão. In: Machado de Assis e a política: mais outros estudos. São Paulo: Polis; Brasília: INL, Fundação Pró-Memória, 1983. [Coleção estética: obras reunidas de Brito Broca; 14].

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

COSTA, Margareth Torres de Alencar. O olhar machadiano sobre a escravidão em “ O caso da vara”. In: MENDES, A. M.; FERREIRA, E.; COSTA, M. T. A. (Orgs.). Literatura, história e cultura afro-brasileira e africana: memória, identidade, ensino e construções literárias. Teresina: Editora UFPI; Fundação Universidade Estadual do Piauí, 2013, p. 83-93.

COUTINHO, Eduardo de Faria. A desconstrução de estereótipos na obra de Machado de Assis: a questão da escravidão. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

CUNHA, Patrícia Lessa Flores da. Machado de Assis, um escritor na capital dos trópicos. Porto Alegre: IEL; Ed. Unisinos, 1998.

DUARTE, Eduardo de Assis. Estratégias de Caramujo. In: Machado de Assis afrodescendente. Organização, ensaio e notas de Eduardo de Assis Duarte. 2.ed. Rio de Janeiro: Pallas; Belo Horizonte: Crisálida, 2007.

_____. Memórias póstumas da escravidão. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

Enciclopédia de literatura brasileira. Direção de A. Coutinho e J. Galante de Sousa. 2 ed. rev., ampl., il., sob coordenação de Graça Coutinho e Rita Moutinho. São Paulo: Global Editora; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional/DNL: Academia Brasileira de Letras, 2001. Vol. I, p. 273-282.

FAORO, Raymundo. Machado de Assis: a pirâmide e o trapézio. 3. ed. Rio de Janeiro: Globo, 1988.

GLEDSON, John. Machado de Assis, ficção e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. [Col. Literatura e teoria literária, v.56].

GOMES, Heloísa Toller. As marcas da escravidão: o negro e o discurso oitocentista no Brasil e nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/EDUERJ, 1994.

HAPKE, Ingrid. Tomando liberdades: o escravo “fora do lugar”. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

IANNI, Octávio. Literatura e consciência. In Revista de Estudos Brasileiros. Edição Comemorativa do Centenário da Abolição da Escravatura. São Paulo, nº 28, 1988.

KRAUSE, Gustavo B. Realismo, ceticismo e escravidão: o caso Machado de Assis. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

KRECH, Natascha Machado. O escravo e o protegido: percepção do trabalho servil em “Virginius”. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

LINHARES FILHO, José. Ironia, humor e latência nas Memórias Póstumas. Fortaleza: UFC, 1992.

MACHADO, Ubiratan. Machado de Assis: roteiro de consagração. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2003.

MAGALHÃES JÚNIOR, Raimundo. Machado de Assis desconhecido. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

MARTIN, Peter. Os inícios da economia escravocrata na América. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

MICHEL, Joachim. Machado de Assis e o século negro. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

PEREIRA, Astrojildo. Machado de Assis, ensaios e apontamentos avulsos. 2. ed. Belo Horizonte: Oficina do Livro, 1991.

PEREIRA, Edimilson de Almeida. Panorama da literatura afro-brasileira. In: Callaloo, Vol. 18, n.4. Editora da Universidade Jhon Hopkins. Ed. Porcharles H. Rowell. 1995.

PROENÇA FILHO, Domício. O negro e a literatura brasileira. In: Boletim bibliográfico Biblioteca Mário de Andrade, vol. 49, n 1/4 janeiro a dezembro de 1988.

SANTOS, Silvana Maria Pantoja dos. Direito e literatura: violação do princípio da dignidade da pessoa humana em crônicas da escravidão de Machado de Assis. In: MENDES, A. M.; FERREIRA, E.; COSTA, M. T. A. (Orgs.). Literatura, história e cultura afro-brasileira e africana: memória, identidade, ensino e construções literárias. Teresina: Editora UFPI; Fundação Universidade Estadual do Piauí, 2013, p. 135-145.

SCHÄFFAUER, Markus K. A borboleta preta e os olhos de ressaca. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2000.

_______. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2000.

_______. (Org.). A velha pobre e o retratista. In: Os pobres na literatura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SOUZA, Bruno Henrique Muniz. Das flores ao verme: cenas de corrosão. Análise dos espaços burgueses em Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. 2014. Dissertação. (Mestrado em Literaturas de Língua Portuguesa). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2014.

TAUSCHER, Dennis. Escravidão e abolição em Memorial de Aires e “O caso da vara”. In: BERNARDO, G., MICHAEL, J., SCHÄFFAUER, M. (Org.). Machado de Assis e a escravidão: Machado de Assis und die sklaverei. São Paulo: Anablume; Rio de Janeiro: UERJ, Hamburg: Universität Hamburg, 2010.

 


LINKS