A premiada escritora negra, Conceição Evaristo, entrega carta de autoapresentação e confirma sua candidatura à Academia Brasileira de Letras (ABL), nesta segunda-feira, 18 de junho de 2018.

Após a criação de uma petição online em apoio à eleição da autora, a ideia repercutiu na internet, recebendo grande apoio da população e destaque na mídia. A petição, que já ultrapassa 20 mil assinaturas, reivindica a ocupação da cadeira número 7 da ABL. O lugar está vago desde a morte de Nelson Pereira dos Santos.

Em carta entregue à ABL, no Rio de Janeiro, a escritora afirma: “assinalo o meu desejo e minha disposição de diálogo e espero por essa oportunidade”.

Conceição Evaristo é uma das mais reconhecidas autoras negras do Brasil. A escritora nasceu e viveu até a década de 1970 na favela do Pindura Saia, região em que hoje está localizada a parte alta da Avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte. Em busca de melhores condições de vida, Evaristo mudou-se para o Rio de Janeiro, onde fez mestrado, doutorado e se tornou escritora e professora universitária. Recebeu, em 2017, o Prêmio Governo de Minas Gerais pelo conjunto de sua obra. Conquistou o Prêmio Jabuti, em 2015, com Olhos d’água. É autora do romance Ponciá Vicêncio (2003), de Becos da Memória (2006), Insubmissas lágrimas de mulheres (2011), Olhos d’água (2014) e Histórias de leves enganos e parecenças (2016), entre outros escritos.


LIVROS E LIVROS

Ficção

Jorge Dikamba - Memorial
Jorge Dikamba está de volta à prosa de ficção, atividade que entrelaça com seus cantares recolhidos tanto na vasta memória musical mineira, quanto sorvidos da imaginação e arduamente trabalhados pelo poeta-cantor-instrumentista. Veio rico em enredos marcados pelo inusitado da condição humana e temperados com humor e poesia, a ficção surge em paralelo à presença do autor no universo da música de raiz – que vem do sertão longínquo no espaço e no tempo e se contrapõe ao sertanejo de asfalto, fabricado sob encomenda. Ficção que tem início ...

Poesia

Lande Onawale - Pretices e milongas
SAUDAÇÃO AO ORIQuem carrega um nomeSaúda a honra à cabeçado homem- cabaça -em toda toda p-arte.   Em Kalunga: poemas de um mar sem fim (2011), Lande Onawale já anunciava sua poesia como uma escrita "incansável que come com as mãos" (2011, p.35), e, mais que isso, "letra que dorme em esteira e, como a própria noite, é povoada de ancestres" (Idem). De acordo com Fu-Kiau1, para os bakongos a Kalunga pode ser pensada como força completa em si mesma que tem a capacidade de transformar a Terra e transmutar-se depois no Oceano, s...

Ensaio

Aline Arruda, Iara Barroca, Luana Tolentino (Org.) – Carolina Maria de Jesus, percursos literários
  Era papel que eu catava Para custear o meu viver E no lixo eu encontrava livros para ler Quantas coisas eu quiz fazer Fui tolhida pelo preconceito Se eu extinguir quero renascer Num país que predomina o preto Carolina Maria de Jesus 1996    Um ato extensivo do eu enquanto ser-estar no mundo, escrever é, por isso, ação dolorosa e amarga. Decodificar-se pela palavra é construir caminhos antônimos. Transformar seu corpo em matéria viva é, de fato, metamorfosear as ín...

Infantojuvenil

Elio Ferreira - A rolinha e a raposa
A rolinha e a raposa, de autoria de Elio Ferreira, com belíssima ilustração de Antonio Amaral, livro muito bem elaborado, com um projeto gráfico bem cuidado e perfeita sintonia entre o verbal e o não verbal, é uma obra que tem como destinatário preferencial o leitor criança.   Trata-se, portanto, de literatura infantil com interface na cultura popular ou folclore.   Na realidade, é um reconto, como o próprio autor informa em texto de abertura do livro que diz assim: “A rolinha  e a raposa é uma entre muitas histór...

Memória

Elzira Divina Perpétua - A vida escrita de Carolina de JesusUm corpo lido: Carolina de Jesus por Elzira Perpétua Laura Padilha*   Chega a nós, no espaço das comemorações dos 100 anos de Carolina Maria de Jesus, uma obra por catorze anos esperada por muitos estudiosos da questão negro-africana no Brasil. Trata-se de A vida escrita de Carolina de Jesus, assinada por Elzira Divina Perpétua, na origem uma tese de doutorado, defendida, em 2000, na Universidade Federal de Minas Gerais. A “vida escrita” se faz “corpo lido” que os leitores hão de percorrer, a princípio, talvez com uma certa dose de espanto, quando estiverem frente a frente com um texto teci...

Newsletter

Cadastre aqui seu e-mail para receber periodicamente nossa newsletter e ficar sempre ciente das novidades.

 

Instagram

 

YouTube