Travessias

Minha mãe
sempre teve medo
do mar.
Intrigada me pergunto:
o que a ameaça?
A imensidão poderosa
das águas?
Ou a ancestral memória
da longa travessia?

                   (Nós, p. 29)

 

Nós

Despida de antigos conselhos
abro meu corpo
e incorporo
os santos que pedem abrigo.
Me desfaço de laços
e me cubro apenas
com a delicadeza de panos atados
por precisos nós.

                                  (Nós, p. 33)

 

Corpo

Meu corpo é um campo de solo revolto
sob pés guiados por tambores.
Meu corpo é um campo aberto,
arena de muitas disputas.

Meu corpo é um campo sagrado
habitado por ritmos
de vida e de morte.

Meu corpo é um campo marcado
pelo movimento das águas
pela força dos ventos.

Meu corpo é um campo de silenciosas batalhas
atravessado por rios sinuosos
alimentado por incontidas raízes.

Meu corpo é um campo ocupado
por séculos de rebeldia
por cantos de liberdade.

                                                   (Nós, p. 34)

 

Por um fio

Nasci de cabeça feita.
No começo, não sabia.
Entre os hábeis dedos maternos
via os meus crespos fios
domados por um laço,
que me prendia também por dentro.
Cresci sob um mito,
medo de me ver refletida
no espelho do que sempre fui.
Mas ainda menina, meu desejo
já se enroscava, virava trança
e me protegia.

Quando me vi desnuda
olhei demoradamente:
os pés plantados no chão
as pernas, troncos fortes
o ventre escuro
pleno de inquietações.
Mãos e braços regidos
por nossos ancestrais
seios fartos
da seiva que alimenta o mundo.
Vi em mim o riso de meu pai
o olhar de minha mãe.
De repente, me encontrei.

Soltos, meus cabelos
diziam de mim
mais do que qualquer palavra,
raízes que me conectam
com uma gente que veio antes de mim
reinventada na menina que pari.

                                        (Nós, p. 44)

 

Meus quilombos

Em volta tudo é montanha
Escuros abraços que amparam
protegem, aquecem
mas não prendem.
Liberam
libertam.
Dentro tudo pulsa
tambores inundam o peito,
a pele
desaguam nos pés.

Em volta e de longe
tudo é calmaria
silêncio
água mansa.
Dentro e no fundo
tudo é movimento
intensidades
correntezas.

Em volta tudo é murmúrio,
palavras que brotam de gargantas
antes interditadas.
Dentro tudo é vozerio
brados de resistência
coro de insubmissões
que rompem cercos
círculos de ocultamento.

Em volta tudo é gesto que se desenha no ar.
Dentro tudo é punho que se ergue
braços que sustentam
mãos que garimpam, lapidam
transformam
reinventam.

                                          (Nós, p. 35-36)


LIVROS E LIVROS

Ficção

Elisio Lopes Jr. - Monocontos: histórias para ler e encenar
  Eu sou filho da poeira, da mata e da capoeira, da terra e do sertão. Eu sou filho da pobreza, da dúvida e da incerteza do solo deste chão. Eu carrego comigo a ciência e tenho plena consciência das lembranças do passado. Eu carrego em mim toda a sabedoria, E na pele preta tenho tatuada a força do meu passado, E faço questão de expor isso por onde eu vou. Eu não fui liberto, eu não sou fugido, eu não sou protegido e nunca fui caçado. Eu não sou só mais um negro brasileiro. Eu sou a volta, o retorno e o recomeço dos meus mais velhos. Eu sou porque eles são...

Poesia

Paulo Colina - Poesia Reunida
    A Ciclo Contínuo Editorial lança a obra poética de Paulo Colina em cuidadosa edição de Paulo Colina – Poesia Reunida (2020), com edição de Eunice Souza e Marciano Ventura, apresentação de Oswaldo de Camargo, posfácio de Ricardo Riso, ensaio fotográfico de Mario Espinoza e uma biobibliografia do autor. O escritor Paulo Colina (1950-1999) foi um dos mais ativos literatos negro-brasileiros da geração surgida com a série Cadernos Negros em 1978. Publicou em Cadernos Negros 2 e 3, foi cofundador do coletivo Quilombhoje Literatura em 1980, organi...

Ensaio

Luana Tolentino - Sobrevivendo ao Racismo
Durante muito tempo vivemos sob a farsa de que o Brasil era uma democracia racial. Um país mestiço, erguido a partir da mistura de três raças. “Aqui”, tentavam nos convencer, “a escravidão não foi tão cruel como nos Estados Unidos”. Nem mesmo vivemos o apartheid como na África do Sul ou fomos segregados como as pessoas negras do sul do país americano. A cultura africana era celebrada na mesa, na dança e mesmo no futebol. Um poderoso executivo de uma rede de televisão publicou um livro onde refutava que o país fosse racista. Ao mes...

Infantojuvenil

Madu Costa - A caixa de surpresa e Lapis de cor
Escritora, “contadora” de histórias e educadora ligada principalmente à literatura infanto-juvenil, Madu Costa trata a afro-brasilidade de várias formas em suas obras, e se dedica a participar de projetos e eventos que objetivam o reconhecimento e a expansão de tal campo artístico de nossa literatura. Envolvendo-se em espetáculos de teatro e ministrando oficinas de contação de histórias, a autora busca incentivar não só a leitura em meio às crianças, mas, também, a produção de...

Memória

Aline A. Arruda, Iara C. S. Barroca, Luana Tolentino, Maria I. Marreco (Org.) - Memorialismo e resistência: estudos sobre Carolina Maria de JesusCarolina Maria de Jesus na Academia   Constância Lima Duarte*       15 DE JULHO DE 1955 Aniversário de minha filha Vera Eunice.Eu pretendia comprarum par de sapatos para ela.Mas o custodos gêneros alimentíciosnos impedea realização de nossos desejos.Atualmente somos escravosdo custo de vida.Eu achei um par de sapatosno lixo,lavei, e remendeipara ela calçar.  Eu não tinha um tostãopara comprar pão.Então eu lavei 3 litrose troquei com o Arnaldo.Ele ficou com os litrose deu-me pão.Fui receber o dinheiro do papel.Recebi 65 cruzeiros.Comprei 20 de carne,1 quilo de toucinhoe 1 quilo de açúcare s...

Newsletter

Cadastre aqui seu e-mail para receber periodicamente nossa newsletter e ficar sempre ciente das novidades.

 

Instagram

 

YouTube