CORONAVÍRUS

Imagem: Tecmundo

 


 

 Comitê Local de Enfrentamento ao Coronavírus da Faculdade de Letras

  • Profª Drª Sueli Maria Coelho 
  • Profª Drª Heloísa Maria Moraes Moreira Penna 
  • Prof. Dr. Lorenzo Teixeira Vitral  
  • Ernandes Rodrigo Norberto - TAE
  • Paula Mariela de Castro Sollero - TAE
  • Iuri Rodrigues Silva - Graduação
  • Gabriel Caixeta de Paula Müller - Pós-graduação

 

Canal de comunicação: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 


(24 de julho de 2020)

 

Divulgado resultado das chamadas da política de inclusão digital
Cerca de quatro mil estudantes da UFMG receberão auxílio para acesso à internet, compra e empréstimo de computadores e equipamentos

 

Mais de quatro mil estudantes de graduação foram contemplados nas chamadas do programa UFMG meu lugar: inclusão digital, que tem o objetivo de instrumentalizar os estudantes de graduação da Universidade para o ensino remoto emergencial adotado em razão da pandemia de covid-19. Os estudantes receberão auxílio para acesso à internet, compra e empréstimo de computadores e aquisição de equipamentos. As aulas na graduação recomeçam a partir de 3 de agosto. As atividades na pós-graduação foram retomadas neste mês.  

Serão aportados recursos oriundos do Plano Nacional de Assistência Estudantil e do orçamento da própria UFMG. “Nessa primeira rodada, conseguimos atender a todos os estudantes que demandaram o auxílio”, informa o pró-reitor de Assuntos Estudantis da UFMG, professor Tarcísio Mauro Vago.

Ao comentar o êxito do processo, a reitora Sandra Regina Goulart Almeida disse que a política de inclusão digital representa mais um capítulo da bem-sucedida política de assistência estudantil da UFMG, formulada pela Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (Prae) e por outros setores da Universidade e operacionalizada pela Fundação Universitária Mendes Pimentel (Fump). “Nossas ações de apoio aos estudantes são muito consistentes e sólidas. E essa política de inclusão digital, proposta neste momento tão complexo, é prova não só dessa solidez, mas também da capacidade de reinvenção da política de assistência estudantil, que soube se ajustar rapidamente às necessidades emergenciais e atender a uma importante demanda de inclusão da nossa comunidade estudantil", afirma a reitora. 

Segundo Sandra, é preciso trabalhar a inclusão discente em várias frentes, e a digital é uma delas. "O Brasil é um país de desigualdade digital direta, ou seja, onde há pessoas sem qualquer acesso, e indireta, caracterizada pelo acesso muito restrito”, afirma. A reitora diz acreditar que a Universidade está preparada para enfrentar os desafios impostos pelo ensino remoto emergencial "com responsabilidade, equidade e flexibilidade”.

Na conta
Os recursos das chamadas I, II e IV já estão sendo depositados nas contas correntes dos estudantes no Banco do Brasil ou no Santander. É obrigatória a apresentação da nota fiscal ou da fatura em nome do estudante ou de algum familiar. A comprovação da compra deverá ser enviada, em cópia escaneada, em até 30 dias corridos após o recebimento do auxílio, para os e-mails O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. As informações sobre o empréstimo de notebooks, que contemplará os estudantes selecionados na Chamada III, serão divulgadas em breve.

A quinta chamada, com inscrições abertas até 31 de julho, é específica para estudantes indígenas e quilombolas. Na UFMG, há 110 estudantes pertencentes a esses grupos. E a sexta chamada, que também beneficiará indígenas e quilombolas, tem a finalidade de viabilizar a compra de pacotes de internet.

Segundo Tarcísio Vago, também estão abertas chamadas para o Coltec e para o Teatro Universitário (TU) e outra exclusiva para alunos de pós-graduação, que prevê ajuda de R$ 100 mensais para compra de pacotes de internet e para empréstimo de equipamentos. O Centro Pedagógico da UFMG, de forma autônoma, também elaborou um plano de inclusão. Haverá também uma chamada específica para os estudantes indígenas e do campo.

Na avaliação do vice-reitor Alessandro Fernandes Moreira, o trabalho foi muito bem coordenado. “Fizemos uma consulta aos estudantes e já tínhamos um horizonte de quantas pessoas precisariam ser atendidas”, destaca. Ele afirma ainda que a Prae fará um trabalho de busca ativa para identificar estudantes que precisem do auxílio. “Poucas pessoas não responderam à consulta. Se for necessário, faremos mais uma chamada para empréstimo de computadores e acesso a dados. O objetivo é não deixar ninguém de fora”, reforça.

Chamadas
A primeira das chamadas, que contemplou 2.416 alunos, foi destinada à aquisição de equipamentos por estudantes de primeira graduação, em regime presencial, regularmente matriculados e frequentes. Eles receberão auxílio de R$ 1,5 mil.

A segunda prevê a oferta de apoio financeiro para contratação de serviços de internet, softwares e outros recursos para beneficiar a inclusão de estudantes de graduação assistidos por programas da Universidade, regularmente matriculados e frequentes em cursos presenciais. Foram contemplados cerca de dois mil estudantes. Os valores serão de R$ 100 para assistidos nível 1, R$ 80 para o nível 2 e R$ 70 para o nível 3. O repasse será feito mensalmente durante o período de vigência do ensino emergencial remoto.

Também destinada a estudantes de graduação, a terceira chamada tinha como foco empréstimos de computadores. Foram contemplados os estudantes classificados nos níveis 1, 2 e 3, com avaliação socioeconômica em vigor, renda bruta per capita de até um salário mínimo e meio, sempre com preferência para as menores rendas brutas por pessoa. “A UFMG fará uma licitação para alugar, por 12 meses, até dois mil notebooks. Eles serão destinados a estudantes do Coltec, do TU, dos cursos de graduação e pós-graduação”, detalha Tarcísio Vago.

A quarta chamada, que contemplou 82 estudantes (todos os inscritos), destina-se à aquisição de material acadêmico específico (equipamentos de tecnologia assistiva e/ou tecnológicos) para graduandos com deficiência. Eles também devem estar cursando sua primeira graduação, regularmente matriculados e frequentes no primeiro semestre de 2020, acompanhados pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI) e assistidos por programas da UFMG gerenciados pela Fump. Cada estudante receberá até R$ 1,5 mil.

A política de inclusão digital da UFMG prevê também a reestruturação da rede de internet sem fio nas moradias universitárias. A entrega está prevista para a segunda semana de agosto.

Apadrinhamento digital
Outra frente da Política de Inclusão Digital é a Bolsa Apadrinhamento Inclusão Digital conduzida pela Prae e pela Fump. A iniciativa convoca a comunidade universitária a fazer doações de equipamentos ou recursos financeiros para possibilitar que estudantes assistidos acompanhem as atividades acadêmicas remotamente.

O auxílio será destinado aos alunos de primeira graduação – regularmente matriculados e frequentes – classificados socioeconomicamente nos níveis I, II e III (nessa ordem) em Belo Horizonte e em Montes Claros. Até a última segunda-feira, dia 20, as doações em máquinas e dinheiro equivalia a 88 computadores. 

De acordo com a presidente da Fump, Sandra Bianchet, a campanha não tem data estabelecida para terminar. “Todos os dias, novos estudantes são classificados pela Fundação, e eles provavelmente precisarão de computadores para as aulas remotas da UFMG. Nosso objetivo é contemplar o maior número possível de assistidos”, afirma a presidente da Fump, que faz questão de agradecer às pessoas que “separaram um pouquinho de seu tempo para ir até a Fump para doar um mouse, um teclado ou um computador".

“Sabemos das dificuldades adicionais que esse momento gera para os estudantes e contamos mais uma vez com a sensibilidade da nossa comunidade acadêmica”, diz Sandra Bianchet, ressaltando a necessidade de que as contribuições tenham continuidade. O valor concedido a cada aluno será de R$ 1.500, mas não há quantia estipulada para as doações.

A UFMG tem 7.517 estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica contemplados por sua política de assistência, dos quais 2.828 estão na faixa de renda familiar per capita de até meio salário mínimo e 3.051, entre meio e um salário mínimo.

As contribuições podem ser dadas em forma de equipamentos (notebook ou computador “desktop”) ou em dinheiro. No caso dos equipamentos, a recomendação é de que eles tenham a configuração Core 2 Duo, 4GB, 500 HD / 120 SSD, com tela de, no mínimo, 14 polegadas. Essas condições atendem às demandas do ensino remoto emergencial.

A Fump está recebendo as doações em sua sede, localizada na Avenida Antônio Abrahão Caram, 610, bairro São José, às terças-feiras, das 9h às 12h, e às quintas-feiras, das 13h às 17h. Também estão sendo recolhidos equipamentos periféricos como teclados, mouses e caixas de som. Os doadores podem agendar a entrega pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

As contribuições financeiras, por sua vez, podem ser feitas por meio de uma das contas da Fump, no Banco do Brasil (agência 1615-2, conta corrente 22942-3) ou no Banco Santander (agência 4546, conta corrente 13.004008-3). O CNPJ da Fump é 17.220.583.0001-69.

A prestação de contas referente ao emprego dos recursos arrecadados é publicada semanalmente (às terças-feiras) no site da Fundação Mendes Pimente, onde estão disponíveis mais informações sobre a campanha. O interessado também pode escrever para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. Outro ambiente que reúne dados sobre a iniciativa é o site UFMG Coronavírus, criado e gerenciado pelo Centro de Comunicação (Cedecom).

(Fonte: Assessoria de Comunicação da UFMG)

 

 


(21 de julho de 2020)

 

A Reitoria da UFMG encaminha para conhecimento de todos(as) o Ofício Nº 523/2020/GAB-REI-UFMG, de 20 de julho de 2020, que trata da Proposta de Protocolo de Biossegurança, Adequação do Espaço Físico e Monitoramento da COVID-19 na UFMG.

Ressalta-se que a retomada de atividades presenciais na UFMG não tem previsão de data e, quando houver condições e for devidamente autorizada pelas autoridades competentes, deverá ser escalonada, lenta, gradual e com muito cuidado em relação à adoção de protocolos de biossegurança, adequação do espaço físico, monitoramento e controle de surtos. As atividades remotas ainda deverão ser mantidas por meses para reduzir a circulação de pessoas na universidade. Entretanto, os preparativos para a futura retomada de atividades presenciais precisam ser elaborados com antecedência e implementados com participação das Unidades Acadêmicas e da comunidade universitária. O documento enviado em anexo tem duas finalidades principais: orientar o planejamento com adequada antecedência e garantir a segurança das atividades presenciais essenciais que não puderam ser suspensas.

 

Mais informações - CLIQUE AQUI

Protocolo de Biossegurança, Adequação do Espaço Físico e Monitoramento da COVID-19 na UFMG - CLIQUE AQUI

 

 


(13 de julho de 2020)

 

Resolução do Cepe orienta ensino remoto emergencial na graduação
Conselho também aprova datas para primeiro período letivo, que será retomado a partir de 3 de agosto e seguirá até 7 de novembro

 

 

Em reunião realizada na última quinta-feira, dia 9, o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) aprovou resolução que regulamenta o ensino remoto emergencial (ERE) para os cursos de graduação da UFMG durante o período de pandemia da covid-19 e o calendário de retomada do primeiro período letivo de 2020. As aulas na graduação serão reiniciadas a partir do dia 3 de agosto, em regime remoto emergencial. O primeiro período letivo termina em 7 de novembro. As aulas na pós-graduação foram reiniciadas neste mês, conforme decisão do próprio Cepe.

Foi programado um recesso de três semanas até o início do segundo período letivo, no dia 30 de novembro. Seu término está previsto para 31 de março de 2021. O calendário prevê, ainda, recesso de Natal e Ano Novo (20 de dezembro a 3 de janeiro).

De acordo com a reitora Sandra Regina Goulart Almeida, o novo calendário escolar foi elaborado pelo Cepe com base em reflexões das câmaras de Graduação, Pós-graduação, Pesquisa e Extensão. “Trata-se de mais uma etapa do processo de retomada gradual de nossas atividades. Tudo está sendo feito com planejamento e responsabilidade, diálogo com as unidades e a comunidade, respeitando as necessidades e contingências dos cursos e de seus professores e estudantes”, afirma a reitora.

Veja a resolução e o calendário aprovados.

 

Ensino remoto emergencial
A UFMG decidiu retomar suas atividades acadêmicas (graduação e pós-graduação) na modalidade remota emergencial. No caso da graduação, a Câmara de Graduação está elaborando, com base em propostas elaboradas por grupos de trabalho (GTs), diretrizes para regulamentar essa oferta. Os GTs, compostos de docentes e discentes, estão trabalhando no estabelecimento de diretrizes de estratégias de ensino-aprendizagem, atividades avaliativas e regime acadêmico.

O processo de retomada é composto de três etapas: a primeira consiste em diagnóstico, preparação e planejamento, regulamentação da oferta e integralização de atividades acadêmicas complementares e de atividades destinadas aos concluintes, além de ações de formação docente. Para a segunda etapa do processo, está prevista a adoção do ensino remoto emergencial propriamente dito. Em uma terceira etapa, ainda sem previsão de data, que dependerá das autoridades sanitárias locais, o ensino remoto emergencial coexistirá com a ampliação gradual das atividades presenciais

Para assegurar que os estudantes tenham condições de acompanhar as atividades remotas, a UFMG lançou sua Política de Inclusão Digital, composta de chamadas para auxílio para acesso à internet, compra e empréstimo de computadores para estudantes com dificuldades socioeconômicas e aquisição de equipamentos para estudantes com deficiência. Uma campanha de apadrinhamento digital também está em andamento para fornecer auxílio (em dinheiro ou em forma de equipamentos) para estudantes assistidos.

 

(Fonte: Notícias UFMG)

 


(01 de julho de 2020)

 

UFMG lança política de inclusão digital para garantir acesso ao ensino remoto emergencial
Por meio de quatro chamadas, serão oferecidos auxílio para acesso à internet, compra e empréstimo de computadores e aquisição de equipamentos para estudantes com deficiência

 

A UFMG divulgou nesta terça-feira, 30 de junho, quatro chamadas que integram a sua Política de Inclusão Digital, formulada para assegurar acesso do corpo discente a equipamentos de informática e a redes de internet. A medida é essencial para que todos os estudantes de graduação e pós-graduação, incluindo aqueles com deficiência, possam acompanhar as atividades que serão ministradas de forma emergencial e remota em meio à pandemia de covid-19.
 
De acordo com decisão do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe), as atividades na pós-graduação serão retomadas nesta quarta-feira, dia 1º de julho. As aulas na graduação, também em regime remoto e emergencial, recomeçam no dia 3 de agosto.
 
As quatro chamadas receberão inscrições de 1º a 20 de julho. A primeira é destinada à aquisição de equipamentos por estudantes de primeira graduação, em regime presencial, regularmente matriculados e frequentes. Será concedido um auxílio de R$ 1,5 mil.
 
A segunda prevê a oferta de auxílio para contratação de serviços de internet, softwares e outros recursos para beneficiar a inclusão de estudantes de graduação assistidos por programas da Universidade, regularmente matriculados e frequentes em cursos presenciais. Os valores serão de R$ 100 para assistidos nível 1, R$ 80, para o nível 2 e R$ 70, para o nível 3. O repasse será feito mensalmente durante o período de vigência do ensino emergencial remoto.

Ampliação de medidas
Também aberta a estudantes de graduação, a terceira chamada é focada em empréstimos de computadores. Serão priorizados os estudantes classificados nos níveis 1, 2 e 3 (nessa ordem), com avaliação socioeconômica em vigor, renda bruta per capita de até um salário mínimo e meio, sempre com preferência para as menores rendas brutas per capita. Estudantes não incluídos na Política de Assistência Estudantil da UFMG deverão solicitar avaliação socioeconômica, preenchendo o questionário disponível no site da Fundação Universitária Mendes Pimentel (Fump).
 
A quarta chamada destina-se à aquisição de material acadêmico específico (equipamentos de Tecnologia Assistiva e/ou tecnológicos) para estudantes de graduação com deficiência. Eles também devem estar cursando sua primeira graduação, além de regularmente matriculados e frequentes no primeiro semestre de 2020, acompanhados pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI) e assistidos por programas da UFMG gerenciadas pela Fump. Cada estudante poderá pleitear um valor único de até R$ 1,5 mil.

Na semana passada, a UFMG já havia lançado chamada destinada a estudantes de pós-graduação para acesso à internet.

De acordo com o pró-reitor de Assuntos Estudantis, Tarcísio Mauro Vago, os recursos das chamadas de aquisição de equipamentos e contratação de serviços de internet são oriundos do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes). “Já a chamada de empréstimos de computadores conta com recursos próprios da UFMG. A Universidade firmou um contrato com uma empresa de aluguel dos equipamentos e vai repassá-los aos estudantes”, informa o pró-reitor.

O prazo de inscrições das quatro chamadas encerra-se inicialmente no dia 20 de julho. “A UFMG tem 7,5 mil estudantes assistidos, e vamos monitorar o andamento das inscrições. Se for necessário, faremos novas chamadas. Nossa intenção é promover uma busca ativa, por meio de telefonemas e ações em redes sociais para garantir que todos sejam incluídos nesse processo”, afirma o pró-reitor.

Além das chamadas, a política de inclusão digital da UFMG prevê a reestruturação da rede de internet sem fio nas moradias universitárias, com previsão de entrega na segunda semana de agosto.

Consulta
As chamadas de acesso à internet e a equipamentos de informática tiveram por base os resultados de consulta feitas a estudantes de graduação e pós-graduação para identificar as condições de acesso remoto e de estudos fora do ambiente acadêmico.
Na graduação, mais de 23 mil alunos participaram do levantamento, o que corresponde a 71,86% do número de estudantes ativos na instituição. Desse total, 12,9 mil estudantes são de ampla concorrência e 9,7 mil ingressantes pelo regime de reserva de vagas (cotas). Perto de 28% dos estudantes não responderam ao formulário.

Entre os graduandos que responderam à consulta, 19 mil declararam ter ótimas ou boas condições de acesso à Internet (82,29%). Outros 2,7 mil estudantes afirmaram ter condições razoáveis (11,72%) e 1,3 mil (5,99%) indicaram que suas condições são precárias.

Participaram da consulta mais de 23 mil alunos, o que corresponde a 71,86% dos estudantes ativos da graduação.
Na pós-graduação, quase cinco mil pessoas responderam ao formulário (2.481 mestrandos e 2.456 doutorandos), o que representa 51% do universo de estudantes ativos na UFMG nesse nível de ensino. Mais de 2,2 mil mestrandos afirmaram ter ótimas ou boas condições de acesso à Internet (89,82%), enquanto 153 disseram ter condições razoáveis (6,17%) e 121 declararam ter condições precárias (4,36%).

Entre os doutorandos, o índice daqueles que afirmaram ter ótimas ou boas condições de acesso à internet chega a 90,84% (2.231 estudantes). Outros 118 estudantes declararam ter condições razoáveis (4,81%) e 107 disseram ter condições precárias (4,36%).

O vice-reitor Alessandro Fernandes Moreira avalia que o resultado da consulta foi expressivo e possibilita o planejamento de ações e estratégias para assegurar que o corpo discente tenha condições de acesso ao contedo das disciplinas por meio remoto emergencial. “Conseguimos traçar um retrato bem preciso das pessoas que participaram da consulta, e ele nos ajudou a atuar para assegurar que as medidas a serem adotadas [as quatro chamadas de graduação e a de pós-graduação] alcancem a totalidade das pessoas que precisam de suporte, sejam ou não estudantes assistidos pela UFMG por meio da Fump”, sustenta o professor.

Alessandro Moreira destaca que a UFMG também precisa olhar para o contingente de estudantes – em torno de 28% – que não responderam ao levantamento, dos quais 5.034 são estudantes que ingressaram na modalidade de ampla concorrência e 3.679, na de reserva de vagas. “É importante também adotar medidas para alcançar esse público, afirma o vice-reitor, indicando que o levantamento permitiu conhecer os cursos de graduação desses estudantes, o que assegura sua inclusão na política lançada pela Universidade.

Apadrinhamento digital
Outra frente que busca ampliar os níveis de inclusão digital do corpo discente da UFMG é a campanha de apadrinhamento lançada pela Fump. A Bolsa Apadrinhamento Inclusão Digital será destinada aos estudantes de Belo Horizonte e Montes Claros que não possuem equipamentos como computadores ou notebooks. Eles devem estar cursando a primeira graduação na UFMG e regularmente matriculados, frequentes e classificados socioeconomicamente pela Fump nos níveis I, II e III, nessa ordem de prioridade. O objetivo é oferecer oportunidade para que esses estudantes adquiram ou recebam um computador ou notebook para favorecer a realização das atividades acadêmicas necessárias à sua formação.

Os padrinhos e madrinhas poderão doar notebook ou computador com configuração mínima Core 2 Duo, 4GB, 500 HD / 120 SSD ou contribuir em dinheiro. Os depósitos de qualquer valor poderão ser feitos em contas correntes da Fump:

- Banco do Brasil: Agência: 1615-2 / conta corrente 22.942-3 - CNPJ da Fump: 17.220.583.0001-69
- Santander: Agência 4546 / conta corrente 13.004008-3 - CNPJ da Fump: 17.220.583.0001-69

O benefício será concedido por meio de bolsa no valor de R$ 1,5 mil depositado na conta do estudante assistido.


(Fonte: Notícias UFMG)

 


(26 de junho de 2020)

 

UFMG define diretrizes para retomada das atividades em regime remoto emergencial
Pós-graduação volta na quarta-feira, 1º de julho; retorno dos cursos de graduação ocorrerá a partir da primeira semana de agosto

 

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) definiu, em sessão nesta quinta-feira, dia 25, diretrizes para o retorno das atividades acadêmicas na UFMG de forma remota emergencial em meio à pandemia de Covid-19. O órgão aprovou resolução que estabelece que os programas de pós-graduação stricto sensu e lato sensu terão suas atividades reiniciadas a partir da próxima quarta-feira, 1º de julho, respeitando as necessidades e contingências de cada curso e do corpo discente.

Os cursos de graduação, por sua vez, retornam em um prazo mínimo de seis semanas. A decisão veio após reunião realizada com coordenadores, conforme recomendação da Câmara de Graduação. Ficou estabelecido que o reinício do primeiro período letivo ocorrerá a partir de 3 de agosto.

Em relação aos cursos de mestrado, doutorado e de especialização, a reitora Sandra Regina Goulart Almeida, que presidiu a reunião on-line do Cepe, informa que a Câmara de Pós-graduação deverá designar uma comissão para acompanhar a implantação e execução de atividades remotas emergenciais.

No caso da graduação, explica a reitora, a Câmara de Graduação deverá, nesse prazo de seis semanas, fornecer, com base em propostas elaboradas por Grupos de Trabalho (GTs), diretrizes para regulamentar a oferta de atividades acadêmicas curriculares na modalidade remota emergencial. Os GTs, compostos de docentes e discentes, estão trabalhando no estabelecimento de diretrizes de estratégias de ensino-aprendizagem, atividades avaliativas e regime acadêmico. “Caberá aos colegiados, com base nessas diretrizes, programar as atividades que poderão ser ofertadas remotamente. Para isso, haverá um período para ajustes das matrículas. Também serão definidas ações para avaliação e monitoramento das estratégias adotadas nas três fases previstas para o processo de retomada das aulas, conforme descrito no documento Síntese das reflexões e recomendações", explica Sandra Goulart.

A primeira etapa da retomada consiste no diagnóstico, planejamento, regulamentação da oferta e integralização de atividades acadêmicas complementares e de atividades voltadas para os concluintes, além de ações de formação docente. Em sua segunda etapa, o processo prevê a adoção do ensino remoto emergencial propriamente dito. Na terceira etapa, o ensino remoto emergencial coexistirá com a ampliação gradual das atividades presenciais.

Também ficou decidido que um novo calendário escolar será elaborado. “Isso será feito pelo próprio Cepe, com base nas reflexões das câmaras de Graduação, Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão”, informa Sandra Goulart.

Ampla consulta
A reunião desta quinta-feira foi convocada para que os conselheiros analisassem as propostas concebidas com base nas consultas às unidades, aos colegiados de Graduação e de Pós-graduação, aos centros de extensão e aos núcleos de pesquisa. O resultado das consultas foi, primeiramente, sistematizado pelas câmaras de graduação e de pós-graduação, apresentado e debatido em reuniões do Cepe, em 10 de junho, e do Conselho Universitário, em 15 de junho.

Em seguida, os documentos foram encaminhados às unidades acadêmicas para que fosse dado conhecimento à comunidade universitária e colhidas reflexões e sugestões adicionais com objetivo de subsidiar o Cepe nas decisões sobre início da retomada das atividades acadêmicas de graduação e de pós-graduação.

Formação docente
Diante da necessidade de consolidação de plano de ação emergencial para apoio à comunidade acadêmica na preparação para o ensino no contexto de crise pandêmica, foi criado o Programa Integração Docente - ações formativas para as práticas pedagógicas. O Programa é resultado de articulação entre a Diretoria de Inovação e Metodologias de Ensino (GIZ/Prograd), Centro de Apoio à Educação a Distância (Caed) e Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI), em integração com o Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI), Cedecom e Coordenadoria de Assuntos Comunitários (CAC).
 
Desde maio, têm sido disponibilizados, para a comunidade acadêmica, fóruns, oficinas, cursos, webinars e outras ações virtuais de apoio ao uso de tecnologias digitais no ensino. Até o momento, foram oferecidas, por meio de oficinas e minicursos, aproximadamente 1 mil vagas para formação de docentes e 450 vagas para estudantes.

Inclusão digital
Uma das principais preocupações da UFMG em seu processo de retomada das atividades acadêmicas em regime remoto emergencial é garantir a qualidade de acesso à internet e a equipamentos para estudantes de graduação e de pós-graduação. O vice-reitor Alessandro Fernandes Moreira explica que uma série de ações foi elaborada e será posta em prática imediatamente. As propostas, que se basearam nos resultados preliminares da consulta aos estudantes de graduação e de pós-graduação, foram formuladas em conjunto pelas pró-reitorias de Assuntos Estudantis, Graduação e de Pós-graduação, pela Fundação Universitária Mendes Pimentel (Fump) e pelo Comitê de Acompanhamento de Estudantes.

Os estudantes de pós-graduação, por exemplo, já podem participar da chamada de acesso à internet –para a compra de pacote de dados –, lançada nesta semana. Os interessados devem preencher o formulário socioeconômico. Já os estudantes de graduação serão beneficiados com chamadas de acesso à internet, aquisição de notebook, de equipamentos para alunos com deficiência e de apadrinhamento coordenadas pela Fump. Esses processos serão deflagrados já na próxima semana.

Outra frente de ação é o empréstimo de notebook a estudantes de graduação e de pós-graduação, cuja chamada também será aberta na próxima semana. Estudantes indígenas e quilombolas também receberão apoio específico. “É um projeto que será lançado no próximo mês”, informa o vice-reitor Alessandro Moreira. Além disso, a rede de internet sem fio nas moradias universitárias será reestruturada, com previsão de entrega na segunda semana de agosto.


(Fonte: Notícias UFMG)

 


(15 de junho de 2020)

 

INFORMATIVO SOBRE PRODUTOS DESINFETANTES PARA O ENFRENTAMENTO DA PANDEMIA DE COVID-19


Professores do Departamento de Química da UFMG publicaram um informativo sobre produtos desinfetantes para o enfrentamento da pandemia de Covid-19. Este informativo comenta os principais produtos germicidas aprovados pela ANVISA e faz um detalhamento sobre os sais de amônio quaternários (QUATs), que são componentes usuais de desinfetantes hospitalares e tem sido empregados em diversos países e no Brasil, em locais públicos, como forma de proteção contra o coronavírus SARS-CoV-2.

 


Para ler o informativo, CLIQUE AQUI.

 

Informações e dúvidas: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 


(05 de junho de 2020)

 

REFLEXÕES SOBRE A RETOMADA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS NA UFMG NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19

Comissão Permanente de Ações Afirmativas e Inclusão da UFMG

 

Diante das instabilidades e incertezas que a pandemia do novo coronavírus traz à sociedade, as instituições têm se confrontado com novos desafios. Ao mesmo tempo em que demandam adaptações em relação a processos estáveis, tal contexto ameaça o curso de políticas de ação afirmativa, pois a pandemia tende a atingir de modo mais intenso os setores mais vulneráveis da sociedade1, tais como negras e negros (e em especial os quilombolas), indígenas; mulheres; LGBTI’s; pessoas com deficiência.

Frente a necessidade de distanciamento social ressaltada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como medida fundamental no combate à pandemia, as salas de aula se tornaram temidas. Instituições de ensino em todo o mundo têm implementado medidas para garantir a segurança de seus corpos docentes, discentes e técnico-administrativo. Entre elas, o ensino remoto tem sido frequentemente utilizado pelo ensino superior.

Este documento, elaborado pela Comissão Permanente de Ações Afirmativas e Inclusão (CPAAI) da UFMG, parte de tal contextualização para debater a retomada de atividades acadêmicas pela Universidade. Foi elaborado a partir de discussões (remotas) da CPAAI e se funda nas diretrizes da OMS e do Comitê Permanente de Acompanhamento das Ações de Prevenção e Enfrentamento do novo Coronavírus da UFMG.

 

Leia o comunicado na íntegra - CLIQUE AQUI

 


(26 de maio de 2020)

 

 

O Comitê Local de Enfrentamento ao Coronavírus na FALE informa a toda comunidade da criação de um canal exclusivo de comunicação, que funcionará como um fórum ampliado de discussões das questões relativas à pandemia, dentre as quais a retomada de nossas atividades, que ocorrerá de forma organizada e com planejamento de ações para curto, médio e longo prazos, muitas das quais já se encontram em andamento.

Para sugestões, dúvidas e informações, envie e-mail para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

O Prof. Lorenzo Teixeira Vitral estará em interlocução direta com a comunidade para ouvi-la e encaminhar suas mensagens aos demais membros do Comitê Local da FALE e também do Comitê Central da UFMG. 

Aguardamos, pois, a manifestação de nossa comunidade, de modo a nos ajudar a pensar e a encontrar as ações mais adequadas.

 

Cordialmente,

Comitê Local de Enfrentamento ao Coronavírus na FALE
Profª Sueli Maria Coelho
Profª Heloísa Maria Moraes Moreira Penna
Prof. Lorenzo Teixeira Vitral
Ernandes Rodrigo Norberto
Paula Mariela de Castro Sollero

 


(25 de maio de 2020)

 

COMUNICADO COM ORIENTAÇÕES DO COMITÊ LOCAL DE ENFRENTAMENTO DO CORONAVÍRUS NA FALE/UFMG

 

Visando a dirimir possíveis dúvidas relativas à suspensão das atividades administrativas de forma presencial e o planejamento do trabalho remoto instituído pelo Ofício Circular Nº 0111/2020/PRORH/UFMG, o Comitê Local de Enfrentamento ao Coronavírus na Faculdade de Letras vem apresentar as seguintes orientações:

(1) Os servidores – docentes e técnicos administrativos – deverão organizar suas atividades de forma a executá-las remotamente, sempre que a atividade assim o permitir;

(2) Não há restrição de quais serviços devem ou não ser mantidos; toda e qualquer atividade passível de ser realizada de forma remota deverá ser realizada sem qualquer interrupção;

(3) Os responsáveis pelos setores deverão estar disponíveis por e-mail ou por telefone tanto para auxiliar os demais servidores de seu setor quanto para responder às eventuais demandas de outros setores da FALE e da UFMG;

(4) Caso seja necessário comparecer à FALE para realizar alguma atividade, o(a) servidor(a) deverá seguir todas as orientações de segurança sanitária determinadas pelas autoridades competentes. Nesse caso, recomenda-se que esse procedimento seja realizado, preferencialmente, por servidores com transporte próprio;

(5) A exemplo de todas as instâncias da UFMG, que estão avaliando e definindo estratégias para um futuro retorno às atividades, é recomendável que também os diversos setores da FALE, em interação com suas respectivas chefias, comecem a pensar em protocolos de atendimentos, de modo a subsidiar o Comitê Local;

(6) O comitê Local de enfrentamento ao Coronavírus já está estudando medidas de segurança sanitária para o atendimento presencial, quando este ocorrer, tais como instalação de dispositivo com álcool gel em pontos estratégicos, disponibilização de álcool 80 para higienização dos setores, instalação de proteção de acrílico em guichês de atendimento, recomendação veemente do uso de máscara nos espaços da faculdade.

Essas orientações estão ancoradas nas normativas governamentais ora vigentes, podendo ser alteradas a qualquer momento, de acordo com a evolução do quadro pandêmico que está instalado.

Ressaltamos que o ineditismo da situação nos impõe a busca por soluções até então impensadas e requer de todo(a)s nós um olhar criterioso sobre os desafios que estão postos.

Fiquem bem, protejam-se!

 

Cordialmente,

Comitê Local de Enfrentamento ao Coronavírus.

Prof.ª Sueli Maria Coelho

Prof.ª Heloísa Maria Maraes Moreira Penna

Ernandes Rodrigo Norberto

Paula Mariela de Castro Sollero

 


(20 de maio de 2020)

 

Esforço da Prograd projeta adaptação responsável à ‘nova normalidade’
Ações da Pró-reitoria de Graduação são pautadas pela garantia da qualidade do ensino e de condições iguais de acesso para todos os estudantes

 

 

Volta às aulas. A expressão consagrada, que diz respeito, desde sempre, ao início dos meses de março e agosto, hoje está carregada de incerteza. Ainda não é possível cravar quando será seguro retomar atividades presenciais na UFMG, tendo em vista os riscos de disseminação do novo coronavírus. Mas algumas coisas são certas: estudantes, professores e técnicos retornarão para o que está sendo chamado “nova normalidade”, e a Pró-reitoria de Graduação trabalha para planejar essa volta, definindo princípios e procedimentos, em diálogo com outras instâncias da Universidade.

“Em sintonia com as recomendações das autoridades sanitárias e do comitê de enfrentamento à pandemia na UFMG, avaliamos que o retorno às aulas e demais atividades presenciais será escalonado, respeitando-se distanciamento mínimo entre estudantes nas salas e auditórios”, exemplifica a pró-reitora de Graduação, Benigna Maria de Oliveira. “Em todas as reuniões da Câmara de Graduação e das equipes da Prograd, tem sido reiterada a importância de garantir a qualidade do ensino, de considerar a heterogeneidade dos corpos discente, docente e de servidores técnico-administrativos em educação, a infraestrutura física e computacional da UFMG e de respeitar as normas vigentes.”

Benigna enfatiza também que, para o estabelecimento de diretrizes visando à recomposição do calendário escolar e possíveis adaptações temporárias nas estruturas curriculares dos cursos, será imprescindível a participação dos colegiados de cursos, núcleos docentes estruturantes e do comitê que acompanha as necessidades dos estudantes.
 
 

Leia a matéria na íntegra - CLIQUE AQUI

 

(Fonte: Comunicação UFMG)

 


(01 de abril de 2020)

 

 Nota conjunta das Universidades mineiras, dirigida ao governador de Minas, a prefeitos e à sociedade, em  defesa do isolamento social como medida de enfrentamento da Covid-19

As instituições de ensino superior públicas do Estado de Minas Gerais (FORIPES), juntamente com a PUCMinas, que em conjunto assinam este documento, manifestam apoio às orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS), do Ministério da Saúde, e da Secretaria de Estado de Saúde, assim como das principais entidades médicas, sanitárias e científicas do país e do mundo, quanto à manutenção do isolamento social como medida indispensável para o enfrentamento da COVID-19.

Neste sentido, consideramos necessário respeitar todas as recomendações técnicas pelos próximos dias para que se possa avaliar o comportamento epidemiológico da doença no Brasil e o consequente impacto das medidas adotadas anteriormente. Para isso, é necessário intensificar as estratégias de isolamento para conter o avanço da pandemia, assim como para garantir tempo para que nosso sistema de saúde possa se organizar adequadamente.

No Estado de Minas Gerais observa-se que grande parte dos municípios ainda aguarda a chegada de equipamentos de proteção individual (máscaras, luvas e aventais), assim como equipamentos hospitalares, como respiradores mecânicos, sendo estes tão necessários nos casos de pacientes com problemas respiratórios. Além disso, é necessário disponibilizar mais testes do novo coronavírus, de forma compatível com o tamanho da população, buscando evitar a subestimação do número de casos. Precisamos da determinação das autoridades municipais, estaduais e federais para manter o comércio fechado e as aulas suspensas e atividades remotas. Para aquelas atividades consideradas como legalmente essenciais, é fundamental que as orientações de prevenção e proteção sejam cuidadosamente observadas.

O mundo todo vem mostrando a gravidade da pandemia que enfrentamos. Milhares de vidas já foram perdidas e os números são crescentes. Países desenvolvidos estão sofrendo para vencer o novo coronavírus. Neste momento, medidas necessárias devem ser implementadas, mesmo que duras, diante do reflexo positivo, cientificamente comprovado, para que vidas possam ser salvas. Evidentemente, temos plena consciência da grave crise econômica que enfrentamos e enfrentaremos à frente, porém é momento de defender o bem maior de cada um de nós, ou seja, a vida!

Finalizamos, dizendo que a voz da ciência deve ser ouvida, o SUS deve ser valorizado e fortalecido e nosso povo, especialmente os mais carentes, deve ser apoiado economicamente enquanto durar a pandemia.

Fiquem em casa. A vida é nosso valor maior. Todos são importantes.



Prof. Flávio Antônio dos Santos – Centro Federal de Educação Tecnológica – CEFET/MG
Prof. Kléber Gonçalves Glória – Instituto Federal de Minas Gerais – IFMG
Prof. José Ricardo Martins da Silva – Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – IFNMG
Prof. Charles Okama de Souza – Instituto Federal do Sudeste de Minas – IFSEMG
Prof. Marcelo Bregagnoli – Instituto Federal do Sul de Minas Gerais – IF SUL DE MINAS
Profª Deborah Santesso Bonnas – Instituto Federal do Triângulo Mineiro – IFTM
Profª Lavínia Rosa Rodrigues – Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG
Prof. Antônio Alvimar Souza – Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES
Prof. Sandro Amadeu Cerveira – Universidade Federal de Alfenas – UNIFAL-MG
Prof. Dagoberto Alves de Almeida – Universidade Federal de Itajubá – UNIFEI
Prof. Marcus Vinícius David – Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF
Prof. José Roberto Soares Scolforo – Universidade Federal de Lavras – UFLA
Profª Sandra Regina Goulart Almeida – Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG
Profª Claúdia Aparecida Marliére de Lima – Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP
Prof. Sérgio Augusto Araújo da Gama Cerqueira – Universidade Federal de São João del-Rei – UFSJ
Prof. Valder Steffen Junior – Universidade Federal de Uberlândia – UFU
Prof. Demétrius David da Silva – Universidade Federal de Viçosa – UFV
Prof. Luiz Fernando Resende dos Santos Anjo – Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM
Prof. Janir Alves Soares – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM
Prof. Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC MINAS 

 

Para ver a Nota, CLIQUE AQUI.

 


(01 de abril de 2020)

 

UFMG na corrida pela descoberta da vacina

Professor revela que universidade está engajada no trabalho científico relacionado à COVID-19 e reclama da falta de apoio à pesquisa no Brasil

 

 

Foto: Flávio Fonseca, virologista do Centro de Tecnologia em Vacina da UFMG e integrante do Comitê Permanente de Acompanhamento das Ações de Prevenção e Enfrentamento do Novo Coronavírus.

 

Quais são as ações da UFMG para o enfrentamento da Covid-19?

Há muitas ações nas áreas sociais, psicologia, apoio ao estudante, apoio ao profissional que está no estrangeiro. Isso tudo acontecendo. Doação de luvas e material clínico para hospitais. Vou focar nas ações de ciência e saúde focadas na crise da COVID-19. Há três dias, terminamos todo o mapeamento de capacidade instalada dos pesquisadores das ciências biológicas dentro da universidade. Fazer o teste da COVID-19, baseado no PCR, que está sendo realizado no Brasil inteiro, há três laboratórios que têm capacidade instalada de fazer o teste, de imediato. O diagnóstico é um grande gargalo hoje. Os órgãos oficiais não conseguem dar esse diagnóstico em tempo rápido por causa do grande número de amostras que estão recebendo, o grande número de exames que eles têm que fazer. UFMG ofertou essa capacidade instalada e a competência dos seus pesquisadores para participar desse esforço de diagnóstico. No Hospital Risoleta Neves, já iniciamos os testes de profissionais e pacientes. O mesmo com o Hospital das Clínicas. Hoje, três laboratórios já estão dando suporte ao diagnóstico. Ainda não conseguimos dar suporte ao diagnóstico da Funed no estado, porque há entraves legais importantes, já que os laboratórios da universidade não são laboratórios de diagnóstico clínico. Não temos alvará sanitário para isso. Mas, no momento de crise, nós temos a competência para dar esse suporte.

E em relação às vacinas e aos tratamentos? Quais pesquisas estão em andamento?

A universidade já começou o desenvolvimento de vacinas. Existe grande corrida mundial para se alcançar uma vacina e a universidade participa desse esforço mundial. Há esforço para geração de novas drogas e testes de drogas, como já foi noticiado pela imprensa internacional. Também fazemos parte desse esforço, UFMG e outras universidades brasileiras. E também o desenvolvimento de novos sistemas sorológicos de diagnóstico, uma vez que a gente entende que o teste molecular, feito normalmente, demanda capacidade técnica muito elevada e essa é uma das razões na liberação de resultados pelos órgãos oficiais. Esses testes sorológicos seriam importantes para dar agilidade e amplitude, ampliar a capacidade de diagnóstico. O Ministério da Saúde está comprando parte desses testes sorológicos, mas é importante a nacionalização desses testes, uma vez que a gente não sabe como vai ser a oferta deles no mercado internacional. O mundo inteiro está querendo comprar. A UFMG está profundamente engajada no desenvolvimento científico relacionado à COVID-19.


E qual é o cenário para que a universidade pública desenvolva pesquisas científicas?

Paralelamente, a gente vive essa situação contraditória. A ciência brasileira nunca esteve tão desprestigiada, por ações do próprio governo, e com tão poucos recursos. No meio dessa crise, em 18 de março, recebemos ofício da Capes, responsável pelas bolsas de pós-graduação no Brasil, cortando quatro bolsas de doutorado e mais duas de mestrado do nosso programa de microbiologia. Isso envolve exatamente professores pesquisadores e alunos que estão diretamente envolvidos em estudos de doenças infecciosas, como é o caso da Covid-19. No acumulado, perdemos nove bolsas do doutorado e seis bolsas do mestrado se comparar 2020 a 2019. A gente sabe que numa universidade a grande massa de trabalho do pesquisador é o estudante de pós-graduação. O corte dessas bolsas representa um golpe duríssimo na capacidade dos laboratórios em gerar pesquisa e gerar estudos. Estamos perdendo essa massa de trabalho. Os estudantes ficam desestimulados. O número de estudantes entrando para fazer pós-graduação em ciência biológica, microbiologia, cai ano a ano por causa desse desprestígio. Situação contraditória: em momento de crise internacional em virtude de uma pandemia, instalam-se todos os olhares de ajuda e súplica exatamente para a ciência, que foi tão vilipendiada e tão ridicularizada no passado. Agora, o governo começa a disponibilizar recursos para tentar reaparelhar a ciência para a gente dar uma resposta. Mas foram as próprias ações governamentais que desestruturaram a ciência brasileira.



(Fonte: Estado de Minas - 29/03/2020)

  


(31 de março de 2020)

 

Vídeo com a tradução para a Libras do Ofício Circular nº 5/2020 - Prograd-GAB-UFMG, de 20 de março de 2020, no qual a Câmara de Graduação (CG) do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) decidiu recomendar, de forma unânime, que durante o período em que vigorar a suspensão das aulas presenciais, o ensino de graduação da UFMG não substitua tais aulas por aulas em meios digitais, uma vez que a heterogeneidade do corpo discente da UFMG não permite garantir que todos terão acesso frequente e estável aos recursos computacionais necessários para acompanhamento das atividades

 

Acesse o link: https://www.youtube.com/watch?v=CpkZ_0E8W5s&t=2s

 


(31 de março de 2020)

 

Informação de fontes seguras é fundamental para enfrentar a pandemia

Professora Cristina Alvim, coordenadora do comitê de prevenção e ações contra a Covid-19 na UFMG, esclarece diversos pontos sobre o novo coronavírus

 

 

 

O que é transmissão comunitária, por que o isolamento social é necessário, quando buscar um médico ou fazer o exame? Esclarecimentos para essas e outras questões relacionadas à pandemia de Covid-19 estão contidos em entrevista com a professora Cristina Alvim, da Faculdade de Medicina, assessora da Reitoria para a Área de Saúde e coordenadora do Comitê Permanente de Acompanhamento das Ações de Prevenção e Enfrentamento ao Novo Coronavírus da UFMG.  

 

Leia a matéria na íntegra - CLIQUE AQUI

 

(Fonte: Comunicação UFMG)

 


(20 de março de 2020)

 

A Câmara de Graduação (CG) do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) decidiu recomendar, de forma unânime, que durante o período em que vigorar a suspensão das aulas presenciais, o ensino de graduação da UFMG não substitua tais aulas por aulas em meios digitais, uma vez que a heterogeneidade do corpo discente da UFMG não permite garantir que todos terão acesso frequente e estável aos recursos computacionais necessários para acompanhamento das atividades.

 

Leia o comunicado na íntegra - CLIQUE AQUI

 

 


(20 de março de 2020)

 

Ofício da Pró-reitoria de Recursos Humanos da UFMG, no qual determina a suspensão das atividades administrativas de forma presencial, assim como o planejamento de execução de trabalho remoto, a partir de segunda-feira, 23 de março de 2020, por tempo indeterminado.

 

Leia o comunicado na íntegra - CLIQUE AQUI 

  


(19 de março de 2020)

 

Conforme ofício circular da Pró-reitoria de Administração da UFMG, de 19/03/2020, a partir de amanhã, 20 de março de 2020, estão interrompidas as atividades de todas as cantinas e restaurantes instalados na UFMG, em cumprimento ao Decreto 17.304, de 18 de março de 2020, da Prefeitura de Belo Horizonte, que suspende temporariamente os alvarás de funcionamento de bares, restaurantes e lanchonetes da cidade.

 


(18 de março de 2020)

 

Nota oficial da Faculdade de Letras da UFMG sobre a jornada de trabalho e procedimentos internos para adequação às determinações referentes à emergência de saúde pública decorrente do Coronavírus (COVID-19).

  

Leia o comunicado na íntegra - CLIQUE AQUI

 


(18 de março de 2020)

 

Vídeo com a tradução para a Libras das 'ORIENTAÇÕES RELATIVAS À SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS', publicada na data de ontem, 17 de março de 2020,  pelos Colegiados da FALE/UFMG em conjunto com a Seção de Ensino.

 

 Acesse o link: https://www.youtube.com/watch?v=rcEJfQXgajY               

  


(17 de março de 2020)

 

ORIENTAÇÕES RELATIVAS À SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS

 

Em virtude da suspensão das atividades acadêmicas por tempo indeterminado, como uma medida adotada pela Universidade Federal de Minas Gerais para tentar reduzir o avanço da contaminação pelo novo coronavírus, a FALE faz novo comunicado direcionado aos professores e alunos, a respeito da opção pela modalidade semipresencial de aula a ser adotada, e sobre ações de prevenção e enfrentamento ao COVID-19 na UFMG.

 

Leia o comunicado na íntegra - CLIQUE AQUI

 


(16 de março de 2020)

 

UFMG anuncia suspensão das aulas presenciais a partir de quarta-feira, 18
Medida, tomada em consonância com as diretrizes do fórum de reitores das universidades mineiras, dá continuidade às ações para conter o avanço do coronavírus



As aulas presenciais dos cursos de graduação, pós-graduação e de extensão serão suspensas a partir desta quarta-feira, 18 de março, por tempo indeterminado. A medida, tomada agora há pouco, dá continuidade à série de alterações em seus processos e procedimentos que a UFMG vem adotando há 15 dias como forma de contribuir para a mitigação do avanço da pandemia da Covid-19, provocada pelo novo coronavírus.

 

Leia a matéria na íntegraCLIQUE AQUI



(Fonte: Assessoria de Imprensa da UFMG)


(16 de março de 2020)

 

O Ministério da Saúde, desde o mês de janeiro deste ano, instalou o Centro de Operações de Emergência (COE) - Coronavírus e criou uma cartilha de medidas não farmacológicas de extrema importância no período em que nos encontramos, o da prevenção do contágio.

Mas o que são medidas não farmacológicas? São aquelas adotadas visando a prevenção.

 

 

Para acessar a cartilha CLIQUE AQUI.

 

 


(16 de março de 2020)

 

A Diretoria da Faculdade de Letras, sensível à insegurança que acomete toda nossa comunidade com a pandemia da doença COVID-19, vem a público divulgar o conjunto de ações e de recomendações adotados nesta Unidade, visando à prevenção da disseminação do novo coronavírus.

 

 

 

Comitê Local de Enfrentamento ao Novo Coronavírus na FALE

  • Profª Drª Sueli Maria Coelho (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)
  • Profª Drª Heloísa Maria Moraes Moreira Penna (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)
  • Prof. Dr. Lorenzo Teixeira Vitral (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.) 
  • Ernandes Rodrigo Norberto - TAE (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)
  • Paula Mariela de Castro Sollero - TAE (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)
  • Iuri Rodrigues Silva - Graduação (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)
  • Gabriel Caixeta de Paula Müller - Pós-graduação (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

 Canal de atendimento: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.


FaLang translation system by Faboba

cenex    CEFALE 

PÓS-GRADUAÇÃO