DADOS BIOGRÁFICOS 

Em nós, até a cor é um defeito.
Um imperdoável mal de nascença,
o estigma de um crime.

Mas nossos críticos se esquecem
que essa cor, é a origem da riqueza
de milhares de ladrões que nos
insultam; que essa cor convencional
da escravidão tão semelhante
à da terra, abriga sob sua superfície
escura, vulcões, onde arde
o fogo sagrado da liberdade.

(Luiz Gama)

Luiz Gonzaga Pinto da Gama, pseudônimos afro, Getúlio e Barrabaz, nasceu em Salvador, em 21 de junho de 1830, filho de Luísa Mahin, africana livre vinda da Costa da Mina que ganhava a vida fazendo quitandas, e de um fidalgo português que vivia em Salvador, cujo nome o poeta nunca revelou. Em 1837, Luiza Mahin deixa a cidade e parte em direção ao Rio de Janeiro, ficando o filho aos cuidados do pai. Este, segundo o próprio Gama em carta a Lúcio de Mendonça*, era um homem de posses, apaixonado pela pesca, pela caça e principalmente pelas cartas. Vivia de uma herança que havia recebido em 1838 e, dois anos depois, já se encontrava em plena miséria. Em novembro deste mesmo ano, aos dez anos de idade, o menino Luiz Gama foi levado pelo pai a bordo do navio “Saraiva”, e lá vendido como escravo. Dias depois, ao desembarcar no Rio de Janeiro, foi levado para a casa de um negociante português que negociava escravos sob comissão. No mês seguinte, foi novamente vendido, junto com um lote de “cento e tantos escravos”, ao “negociante e contrabandista” Antônio Pereira Cardoso, que os levou para São Paulo. Lá, seria novamente posto a venda, porém tal fato não ocorreu. Os escravos vindos da Bahia eram tidos como “desordeiros” e “revolucionários”, devido ao marco histórico que foi a Revolta dos Malês, ocorrida em Salvador em 1835, da qual a mãe de Gama, Luiza Mahin, teria participado. Depois disso, os escravos oriundos dessa cidade eram preteridos pelos compradores, como deixa transparecer o depoimento do poeta: “fui escolhido por muitos compradores, nesta cidade, em Jundiaí e Campinas; e por todos repelido, como se repelem cousas ruins, pelo simples fato de ser eu ‘baiano’”. O suposto comprador, o Sr. Francisco Egídio de Souza Aranha, pai do Conde de Três Rios, estabeleceu com Gama o seguinte diálogo, também ilustrativo da repulsa dos senhores pelos escravos baianos:

– Hás de ser um bom pajem para os meus meninos; dize-me: onde nasceste?

– Na Bahia, respondi eu.

– Baiano? – exclamou admirado o excelente velho. – Nem de graça o quero. Já não foi por bom que o venderam tão pequeno. (MENUCCI,1938)

 Sendo assim, permaneceu na casa do senhor Cardoso, onde foi encarregado dos serviços domésticos, tendo aprendido com outro escravo, também baiano, o ofício de sapateiro. Ali se estabeleceu, aos dezessete anos de idade, o primeiro contato de Luiz Gama com as letras, através de um hóspede que viera de Campinas para a capital, com o objetivo de estudar.

Em 1848, Gama fugiu da casa de seus senhores, tendo conseguido, logo depois, documentos que confirmavam a sua liberdade, uma vez que era filho de uma negra liberta. Em seguida, foi “assentar praça”, tendo sido soldado durante seis anos. Durante esse período, nas horas vagas, trabalhava como copista, escrevendo para o Major Benedito Antônio Coelho Neto, que viria a ser depois um dos numerosos amigos do poeta. Em 1854, foi dispensado por ato de insubordinação, porque havia ameaçado “um oficial insolente” que lhe insultara. Devido ao fato, ficou preso por 39 dias.

Em 1856, foi nomeado amanuense da Secretaria da Polícia, onde serviu até 1868, quando foi demitido por “bem do serviço público”. Para esclarecer o motivo real da demissão, o poeta faz a seguinte confissão em carta ao amigo Lúcio de Mendonça:

A turbulência consistia em fazer eu parte do Partido Liberal; e, pela imprensa e pelas urnas, pugnar pela vitória de minhas e suas idéias, e promover processos em favor de pessoas livres criminosamente escravizadas; e auxiliar licitamente, na medida de meus esforços, a alforria de escravos, porque detesto o cativeiro e todos os senhores, principalmente os reis. (MENUCCI, 1938)

Em 1859, Gama publicou Primeiras trovas burlescas de Getulino, no qual consta o famoso poema “Quem sou eu”, mais conhecido como Bodarrada, no qual expõe o preconceito de cor na sociedade brasileira. O poema foi escrito em resposta ao apelido que os intelectuais da época tentaram lhe impor: bode - termo usado de forma depreciativa para designar os negros. A respeito desse poema, Brookshaw (1983) faz o seguinte comentário: “Gama faz abertamente referência a si próprio como negro, dirigindo sua crítica a todos os descendentes afro-brasileiros que tentavam escapar de sua origem ocultando-se atrás de uma máscara de falsa brancura”.

Também como jornalista, Luiz Gama teve uma atuação política bastante intensa: foi aprendiz de tipógrafo do jornal O Ipiranga, e redator do Radical Paulistano, no qual colaboraram, entre outros, Castro Alves, Joaquim Nabuco e Rui Barbosa. Foi ainda responsável pela redação de O Polichinelo – primeiro periódico político satírico da cidade de São Paulo, o que faz Alberto Faria atribuir a Luiz Gama a fundação da imprensa humorística paulistana.

Nos anos 60, o advogado autodidata Luiz Gama se esforçava para tratar dos casos de escravizações ilegais e de abolições individuais e coletivas do Estado de São Paulo. A respeito da profissão que abraçava, Gama confessa aos leitores paulistanos: “Eu advogo de graça, por dedicação sincera à causa dos desgraçados; não pretendo lucros, não temo represálias”. (Correio Paulistano, 20 de nov. de 1869). Segundo consta, Gama teria sido o responsável direto pela liberdade de aproximadamente quinhentos escravos.

Além de advogar, Gama realizava conferências e publicava polêmicos artigos nos quais explicitava seus ideais abolicionistas, motivos pelos quais era perseguido e ameaçado de morte. Em um deles, publicado no Correio Paulistano, em 03/12/1869, Gama discorre sobre a morte de um senhor de terras, pelas mãos de quatro dos escravos que possuía. Depois do fato, os cativos se apresentaram na delegacia, e lá teriam sido linchados pela população. Sobre a atitude daqueles que assassinaram os escravos, ou as “quatro idéias” (como Gama os chama), o poeta comenta: “Miseráveis; ignoram que o mais glorioso é morrer livre numa forca, ou dilacerado pelos cães na praça pública, do que banquetear-se com os Neros da escravidão”.

Liberal exaltado, foi o primeiro negro brasileiro a lutar contra os ideais de branqueamento da sociedade e pelo fim da escravidão. Mesmo debilitado pela doença, saía carregado em uma maca, para atender seus clientes desejosos da liberdade. Faleceu em São Paulo, em 24 de agosto de 1882, deixando uma emocionante carta-testamento ao filho, que se configura para nós, seus leitores de hoje, como vivo exemplo de homem público e literato que, mesmo diante das vicissitudes da vida, não abandona seus ideais.

* Todas as citações referem-se a MENUCCI, Sud. “A carta abolicionista de Luiz Gama a Lúcio de Mendonça”, em O precursor do abolicionismo no Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1938.

 


PUBLICAÇÕES

Obra individual

Trovas burlescas e escritos em prosa. GÓES, Fernando (Org.). São Paulo: Cultura, 1944.

Primeiras trovas burlescas de Getulino. São Paulo: Tipografia Dois de Dezembro, 1859. (Poemas)

Primeiras Trovas Burlescas de Getulino. 2 ed. Rio de Janeiro: Pinheiro e Cia, 1861.

Primeiras Trovas Burlescas de Getulino. 3 ed. São Paulo: Rosa e Santos de Oliveira,1904.

Com a palavra Luiz Gama: poemas, artigos, cartas, máximas. Organização, apresentação e notas de Lígia Fonseca Ferreira. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: 2011.

Antologias

A razão da chama: antologia de poetas negros brasileiros. Organização de Oswaldo de Camargo. São Paulo: GRD, 1986.

O negro em versos: antologia da poesia negra brasileira. Organização de Luiz Carlos Santos, Maria Galas e Ulisses Tavares. São Paulo: Moderna, 2005.

Antologia de poesia afro-brasileira: 150 anos de consciência negra no Brasil. Organização de Zilá Bernd. Belo Horizonte: Mazza edições, 2011.Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Vol. 1, Precursores. Organização de Eduardo de Assis Duarte. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

 


TEXTOS

 


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

AZEVEDO, Elciene. Orfeu de carapinha: a trajetória de Luiz Gama na imperial cidade de São Paulo. Campinas, SP: Editora da Unicamp / Centro de Pesquisa em História Social da Cultura, 1999.

BASTIDE, Roger. A poesia Afro-brasileira. 1943

FARIA, Alberto. “Luiz Gama” In: Revista Academia Brasileira de Letras, n. 67, julho 1927.

BERN, Zilá. Poesia negra brasileira: antologia. Porto Alegre: AGE, IEL, Igel, 1992.

BRANDÃO, Roberto de Oliveira. "A poesia satírica de Luis Gama”. In Boletim bibliográfico Biblioteca Mário de Andrade. V. 49, n. 1/4, jan./dez. 1988.

CAMPOS, Maria Consuelo Cunha. Luiz Gama. In DUARTE, Eduardo de Assis (Org.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Vol. 1, Precursores. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

GOES, F. Luiz Gama. Trovas burlescas e escritos em prosa. São Paulo: Edições Cultura, 1944.

LESSA, Orígenes. Inácio da Catingueira e Luiz Gama: dois poetas negros contra o racismo dos mestiços. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1982.

LUNA, Luís. O negro na luta contra a escravidão. Rio de Janeiro: Editora Cátedra-MEC, 1976.

MARTINS, H. "Luiz Gama e a consciência negra na literatura", Afro-Ásia, Salvador, nº 17, p. 87-97, 1996.

MENUCCI, Sud. O precursor do Abolicionismo no Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1938.

PAES, José Paulo. "Luís Gama, poeta menor". In Mistério em casa. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura / CEL, 1961.

ROMERO, S. História da litaratura brasileira, 4 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943.

SILVA, Júlio Romão da. “Luís Gama, abolicionista” In Vamos ler. Rio de Janeiro, 29 de outubro de 1942.

_______. “Luís Gama” In O Século, órgão do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, nº I, ano i, Rio de Janeiro, junho de 1944.

_______. “Luís Gama, poeta satírico” In Suplemento Literário do Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 26 de set de 1952.

_______. Luís Gama e suas poesias satíricas. 2 ed. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL, 1981.

_______. Luís Gama: o mais conseqüente poeta satírico brasileiro. 2 ed. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL, 1981.

_______. "Luiz Gama: mártir e herói por amor à liberdade". Luiz Gama: arauto da liberdade / profeta da República. Rio de Janeiro: Edições MLG, 1983.

_____. "Luiz Gama: uma trajetória além do seus tempo", Estudos Afro-Asiáticos, nº 16, mar. 1989.

 


LINKS