DADOS BIOGRÁFICOS

Autor de romances, contos e crônicas memoráveis; jornalista polêmico, com presença marcante em diversos órgãos de informação; e, sem dúvida, um dos mais destacados escritores brasileiros das primeiras décadas do século XX, Afonso Henriques de Lima Barreto é considerado por Octávio Ianni um dos fundadores da literatura negra ou afro-brasileira. Coincidentemente, o escritor nasceu no Rio de Janeiro, em 13 de maio de 1881, filho de João Henriques de Lima Barreto e Amália Augusta Barreto – ambos afrodescendentes. Tinha como avó uma escrava liberta, Geraldina Leocádia da Conceição, agregada da família Pereira de Carvalho, cuja mãe, Maria da Conceição, nascera na África, tendo sido traficada para o Brasil em um navio negreiro. A figura dessa bisavó parece permear o imaginário do escritor, como destaca seu biógrafo, Francisco de Assis Barbosa, ao resgatar uma das crônicas do autor, publicada em 1918:

"Era da África, de nação Moçambique [...] viera ainda rapariguinha para aqui, onde tivera para seu primeiro senhor os Carvalho de São Gonçalo; conhecera D. João VI, e, sobre ele, desconexamente, contava uma ou outra coisa avaramente guardada naquela estragada memória." (BARBOSA, 1952, p. 22).

Lima Barreto se criou numa família de poucas posses. Operário gráfico, seu pai trabalhou por muitos anos em órgãos importantes da época, tais como Jornal do Comércio e A Reforma. Sua mãe exerceu o magistério, numa pequena escola fundada pelo marido, porém, dela se afastou devido aos problemas de saúde que apresentava. Amália Augusta foi a primeira mestra do pequeno Afonso Henriques, mas veio a falecer, vítima de tuberculose, quando o filho tinha 7 anos de idade. A esse episódio fatídico o autor vincula seu temperamento introspectivo, quando desabafa:

"Talvez fosse menos rebelde, menos sombrio e desconfiado, mais contente com a vida, se ela vivesse. Deixando-me ainda na primeira infância, bem cedo firmou-se o meu caráter; mas em contrapeso, bem cedo me vieram o desgosto de viver, o retraimento por desconfiar de todos, a capacidade de ruminar mágoas sem comunicá-las a ninguém." (BARBOSA, 1952, p. 44).

Contando com o auxílio do padrinho de batismo, o Visconde de Ouro Preto, Lima Barreto completou o ensino ginasial no colégio Pedro II. Em 1897, entra para a Escola Politécnica. As condições precárias da família, principalmente após a morte da mãe e a doença mental que assolava o pai, fizeram com que o jovem abandonasse o sonho que seu pai alimentava e a ele transmitia: fazer do filho um engenheiro. Assim, o escritor abandona o curso da Escola Politécnica do Rio de Janeiro, para trabalhar e assumir o sustento da sua família. Porém, já na mocidade sonhava em tornar-se um literato – um sonho ao qual se impunham barreiras, como ressalta Barbosa ao reproduzir um desabafo do autor:

“É triste não ser branco” escreveu Lima Barreto em seu Diário íntimo, resumindo numa confidência amarga todas as limitações que sofria. Mais que um complexo, a cor era uma barreira para a sua vocação de escritor. Tinha que transpô-la, mesmo que não conseguisse vencer o complexo." (BARBOSA, 1952, p. 144).

A frase explicita o estado de espírito que persegue o homem em sua busca. A “barreira da cor” remete ao sujeito “emparedado” de que fala Cruz e Sousa e impõe desafios constantes, tanto no jornalismo quanto na produção literária, à qual iria dedicar todos os seus esforços. A leitura do Diário íntimo e de O cemitério dos vivos revela que o complexo viria a agravar a melancolia, a angústia e o sofrimento do escritor.

Em 1902, Barreto passa a atuar na imprensa estudantil; muda-se, juntamente com sua família, para o subúrbio do Rio de Janeiro e ingressa, através de concurso, na Secretaria da Guerra. Com o modesto ordenado que recebia como funcionário público, passa a dedicar-se à literatura. Inicia em 1904 a escrita da primeira versão do livro Clara dos Anjos, que só viria a ser publicado em 1948. No ano seguinte, escreve Recordações do escrivão Isaías Caminha e, ao mesmo tempo, começa sua carreira como jornalista profissional no Correio da Manhã. Nesse período, também se dedica intensamente, nas salas da Biblioteca Nacional, à leitura dos clássicos da literatura mundial, das obras realistas e dos romancistas russos. Alguns anos depois, escreve o romance Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá. Em 1911, durante três meses, publica Triste fim de Policarpo Quaresma, em formato de folhetim, no Jornal do Comércio.

O vício da bebida, que desembocaria no alcoolismo crônico do autor, apresenta suas primeiras manifestações, porém não o impede de continuar colaborando em diversos jornais da época. Em 1915, seu romance Numa e ninfa sai publicado no periódico A Noite. No ano seguinte, surge em livro o romance Triste fim de Policarpo Quaresma, juntamente com os contos "A Nova Califórnia", “Um e outro”, “O filho de Gabriela”, “Um especialista”, “Miss Edith e seu tio”, “Como o ‘homem’ chegou” e "O homem que sabia javanês", sendo o volume bem acolhido pela crítica da época, que via no escritor o sucessor literário de Machado de Assis.

Em 1917, após a primeira intervenção médica, que consistia em sua reclusão no hospital psiquiátrico, Barreto entrega ao editor os originais de Os bruzundangas, que só viria a ser publicado após sua morte. No ano seguinte, após o diagnóstico de epilepsia tóxica, é afastado do trabalho e aposentado. Logo depois se candidata a uma vaga na Academia Brasileira de Letras, mas seu pleito é recusado.

No início de 1919, suspende a colaboração no semanário político A.B.C., por ter a revista publicado um artigo contra a raça negra, com o qual não concordava. Pela segunda vez, candidata-se à vaga na ABL, não conseguindo êxito. Mas recebe menção honrosa na categoria melhor livro do ano com o romance Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá. De dezembro a janeiro do ano seguinte, é internado novamente devido à forte crise nervosa que o acometia, disto resultando as anotações dos primeiros capítulos da obra O cemitério dos vivos, publicada em 1953 junto com seu Diário íntimo.

Já com a saúde debilitada, Lima Barreto se recolhe à modesta casa do bairro de Todos os Santos e à difícil convivência com as crises do pai. Em 1921, candidata-se pela terceira vez à Academia e logo depois retira sua inscrição. Entrega ao editor os originais de Bagatelas, que só seria publicado em 1923. No fim da vida, o escritor sofre também frequentes crises de reumatismo. E vem a falecer em 1° de novembro de 1922, vítima de colapso cardíaco. Dias depois, falece o pai. Ambos estão sepultados no cemitério São João Batista, onde o escritor desejava que fosse a sua última morada.

Com suas crônicas, contos, romances e escritos autobiográficos, Lima Barreto deixou uma obra de relevo, que percorre criticamente a realidade brasileira, em especial os momentos que se seguem ao término da escravidão e à implantação da República. Sua ficção dialoga a todo instante com o jornalismo, seja em termos temáticos – como se pode constatar pela leitura de Recordações do escrivão Isaías Caminha, em que o mundo da imprensa ambienta o enredo – seja através do modo realista com que trata os problemas que afetam a vida brasileira do seu tempo. Outra marca indelével de sua obra reside no ponto de vista afro-identificado, que constitui um lugar de fala solidário ao subalterno e sensível aos dramas dos desvalidos, sejam eles homens ou mulheres. Estas últimas, em especial, recebem um tratamento distinto dos estereótipos dominantes à época, sobretudo no que tange à sexualidade da mulher negra, reduzida em muitos escritos do século XIX a mero objeto do desejo e das fantasias brancas e masculinas – animal erótico desprovido de razão e sentimentos.

O literafro transcreve a seguir o texto crítico “Amplius”, escrito em 1916 em resposta a uma carta anônima, e publicado em 1920 como prefácio ao volume Histórias e sonhos. Nele, o escritor já aponta, seis anos antes da Semana de Arte Moderna, a falência dos modelos clássicos herdados da Grécia antiga, que define como “carcaça cujos ossos já se fazem pó”. E reitera a modernidade de seu pensamento a respeito da arte quando descarta a “literatura contemplativa” e propõe substituí-la por uma escrita “militante”, sintonizada com seu tempo. Tal postura o faz, novamente, arauto de propostas que só iriam se materializar na década seguinte, a partir da Harlen Renaissence e do New Negro Movement estadunidenses, que dão início à tradição da Literatura Negra do século XX, presente nos países hospedeiros da diáspora africana.

 

Amplius!

Prefácio a Histórias e sonhos

Amplius! Amplius!

Sim; sempre mais longe

 

Como me parecesse necessário um prefácio para essa coletânea de contos e fantasias de várias épocas e coisas de minha vida, julguei-me no direito de republicar, à testa dela, as linhas que se seguem, com o título acima, editadas poucos meses depois do aparecimento do meu livro Triste fim de Policarpo Quaresma.

Apareceram em um jornal de grande circulação da cidade do Rio de Janeiro, A Época, e eu tive com elas o intuito de esclarecer o que poderia haver de obscuro em certas passagens dos meus humildes trabalhos. Trata-se agora de contos e coisas parecidas, mais do que nunca elas me parecem necessárias à boa inteligência do que a minha mão inábil quis dizer e não soube; e eu as transcrevo aqui, na suposição de que não são demais.

Ei-las como saíram em setembro de 1916:

 

Tendo publicado há poucos meses um livro, poderá parecer a alguns leitores que estas linhas se destinam a responder críticas feitas à minha humilde obra. Não há tal. Já não sou mais menino e, desde que me meti nessas coisas de letras, foi com toda a decisão, sinceridade e firme desejo de ir até ao fim.

Quem, como eu, logo ao nascer, está exposto à crítica fácil de toda gente, entra logo na vida, se quer viver, disposto a não se incomodar com ela.

A única crítica que me aborrece é a do silêncio, mas esta é determinada pelos invejosos impotentes que foram chamados a coisas de letras, para enriquecerem e imperarem. Deus os perdoe, pois afirma Carlyle que “men of letters are a perpetual priesthood”.

De resto, todos os críticos só tiveram gabos para a minha modesta novela; e, se não fora alguns me serem quase desconhecidos, temeria que fossem inimigos disfarçados que conspirassem para me matar de vaidade.

A razão destas linhas é outra, muito outra, e eu explico já.

A emoção do recebimento de uma carta anônima só me foi dado experimentar ultimamente. Muitas dessas coisas banais da vida têm-me chegado assim tardiamente e algumas, pouco corriqueiras, antes do tempo normal aos outros.

A carta era anônima, mas absolutamente não era injuriosa.

Vinha escrita em linda letra e eu tenho pena em não acreditá-la feminina, pois se fosse meteria uma inveja doida aos galantes dos cinemas e maxixes da moda, linda gente feita de pedacinhos de mulheres feias.

Não tive portanto a emoção da carta anônima, pois a missiva era cortês, fazendo, sobre o meu Policarpo, reparos sagazes e originais.

Simpatizei tanto com o escrito que não pude furtar-me ao desejo de responder, de qualquer forma que pudesse, ao desconhecido autor.

É o que pretendo fazer aqui.

Apesar de toda a inteligência que ressuma das palavras que a epístola contém, não me parece que o autor estivesse, em certos quarteirões, muito fora das modas de ver da nossa retórica usual.

Percebi que tem de estilo a noção corrente entre leigos e... literatos, isto é, uma forma excepcional de escrever, rica de vocábulos, cheia de ênfase e arrebiques, e não como se o deve entender com o único critério justo e seguro: uma maneira permanente de dizer, de se exprimir o escritor, de acordo com o que quer comunicar e transmitir.

Como não tocasse de frente em tal questão, deixo de parte semelhante ponto e reservo uma resposta mais ampla, detalhada para qualquer crítico ulterior. Veremos, então, se Descartes tem ou não estilo; e se Bossuet é ou não um estilo.

O que, porém, me faz contestar o meu amável correspondente anônimo, é a sua insistência em me falar na Grécia, na Hélade sagrada etc., etc.

Implico solenemente com a Grécia, ou melhor: implico solenemente com os nossos cloróticos gregos da Barra da Corda e pançudos helenos da praia do Flamengo (vide banhos e mar).

Sainte-Beuve disse algures que, de cinquenta em cinquenta anos, fazíamos da Grécia uma ideia nova. Tinha razão.

Ainda há bem pouco o senhor Teodoro Reinach, que deve entender bem dessas coisas de Grécia, vinha dizer que Safo não era nada disso que nós dela pensamos; que era assim como Mme. Sevigné. Devia-se interpretar a sua linguagem misturada de fogo, no dizer de Plutarco, como uma pura exaltação da mulher. A poesia sáfica seria, em relação à mulher, o que o diálogo de Platão é em relação ao homem. Houve escândalo.

Não é este o único detalhe, entre muitos, para mostrar de que maneira podem variar as nossas ideias sobre a velha Grécia.

Creio que, pela mesma época em que o senhor T. Reinach lia, na sessão das cinco Academias reunidas, o resultado das suas investigações sobre Safo, se representou na Ópera, de Paris, um drama lírico de Saint-Säens – Djanira. Sabem os leitores como vinham vestidos os personagens? Sabem? Com o que nós chamamos nas casas das nossas famílias pobres – colchas de retalhos. Li isto em um folhetim do senhor P. Lalo, no Temps.

Esta modificação no trajar tradicional dos heróis gregos, pois se tratava deles no drama, obedecia a injunções das últimas descobertas arqueológicas. O meu simpático missivista pode ver por aí como a sua Grécia é, para nós, instável.

Em matéria de escultura grega, podia eu, com o muito pouco que sei sobre ela, epilogar bastamente. É suficiente lembrar que era regra admitida pelos artistas da Renascença que, de acordo com os preceitos gregos, as obras esculturais não podiam ser pintadas.

É que eles tinham visto os mármores gregos lavados pelas chuvas; entretanto, hoje, segundo Max Collignon, está admitido que as frisas do Partenon eram coloridas.

A nossa Grécia varia muito e o que nos resta dela são ossos descarnados, insuficientes talvez para recompô-la como foi em vida, e totalmente incapazes para nos mostrar ela viva, a sua alma, as ideias que a animavam, os sonhos que queria ver realizados na Terra, segundo os seus pensamentos religiosos.

Atermo-nos a eles, assim variável e fugidia, é impedir que realizemos o nosso ideal, aquele que está na nossa consciência, vivo no fundo de nós mesmos, para procurar a beleza em uma carcaça cujos ossos já se fazem pó.

Ela não nos pode mais falar, talvez nem mesmo balbuciar, e o que nos tinha a dar já nos deu e vive em nós inconscientemente.

Como se vê, o meu correspondente está preso a ideias mortas; e, em matéria de novela, por certas notações que faz, à minha, se não está jungida a um pensamento morto, deixou-se prender por uma generalização que a experiência do gênero não legitima.

Estranha o meu inesperado correspondente que o meu modesto livro fuja à questão de amor; não seja ela o eixo do livro. Mas, caro senhor, essa questão nunca foi primordial no romance.

Nem os antigos, nem os modernos. Nem nos franceses, nem nos espanhóis. Se o senhor me cita Dáfnis e Cloé, eu cito o Satiricon; se o senhor me cita a Princesse de Clèves, eu lhe apresento Lazarillo de Tormes.

Nos grandes mestres modernos, Balzac, Tolstói, Turguêniev, Dostoiévski, quase sempre o amor é levado para o segundo plano; e essa sua generalização de que o primordial do romance, e seu característico, por assim dizer, é tratar de uma aventura de amor, é tão verdadeira e necessária como aquela regra das três unidades, em matéria de drama e tragédia, de que os críticos antigos faziam tanta questão, citando Aristóteles, que nunca a tinha estabelecido.

Parece-me que o nosso dever de escritores sinceros e honestos é deixar de lado todas as velhas regras, toda a disciplina exterior dos gêneros, e aproveitar de cada um deles o que puder e procurar, conforme a inspiração própria, para tentar reformar certas usanças, sugerir dúvidas, levantar julgamentos adormecidos, difundir as nossas grandes e altas emoções em face do mundo e do sofrimento dos homens, para soldar, ligar a humanidade em uma maior, em que caibam todas, pela revelação das almas individuais e do que elas têm em comum e dependente entre si.

A literatura do nosso tempo vem sendo isso nas suas maiores manifestações, e possa ela realizar, pela virtude da forma, não mais a tal beleza perfeita da falecida Grécia, que já foi realizada; não mais a exaltação do amor que nunca esteve a perecer; mas a comunhão dos homens de todas as raças e classes, fazendo que todos se compreendam, na infinita dor de serem homens, e se entendam sob o açoite da vida, para maior glória e perfeição da humanidade.

É ideal dos nossos dias que é ainda beleza a palpitar nas suas mais altas manifestações espirituais; e não, como o meu correspondente pensa, o ressurgimento de concepções desaparecidas, de que só conhecemos poucas e raras manifestações exteriores, que só podem entorpecer a marcha da nossa triste humanidade para uma exata e mais perfeita compreensão dela mesma.

Não desejamos mais uma literatura contemplativa, o que raramente ela foi; não é mais uma literatura plástica que queremos, a encontrar beleza em deuses para sempre mortos, manequins atualmente, pois a alma que os animava já se evolou com a morte dos que os adoravam.

Não é isso que os nossos dias pedem; mas uma literatura militante para maior glória da nossa espécie na terra e mesmo no Céu.

O meu correspondente acusa-me também de empregar processos de jornalismo nos meus romances, principalmente no primeiro.

Poderia responder-lhe que, em geral, os chamados processos do jornalismo vieram do romance; mas mesmo que, nos meus, se dê o contrário, não lhes vejo mal algum, desde que eles contribuam por menos que seja para comunicar o que observo; desde que possam concorrer para diminuir os motivos de desinteligência entre os homens que me cercam.

Se conseguirem isso, por pouco que seja, dou-me por satisfeito, pois todos os meios são bons quando o fim é alto; e já Brunetière me disse que o era, ao sonhar em esforçar-me, na medida das minhas forças, para fazer entrar no patrimônio comum do espírito dos meus contemporâneos, consolidando pela virtude da forma tudo o que interessa o uso da vida, a direção da conduta e o problema do nosso destino.

E, como ele queria, assim como querem todos os mestres, eu tento também executar esse ideal em uma língua inteligível a todos, para que todos possam chegar facilmente à compreensão daquilo a que cheguei através de tantas angústias. No mundo, não há certezas, nem mesmo em geometria; e, se alguma há, é aquela que está nos Evangelhos: amai-vos uns aos outros.

Para atingir tão alto escopo, tudo serve; e, como são Francisco Xavier, todos nós, que andamos em missão entre hindus, separados em castas hostis, entre malaios ferozes e pérfidos, entre japoneses que se guerreiam feudalmente; todos nós, dizia eu, só devemos ter a divisa do Santo: “Amplius! Amplius!”. Sim; sempre mais longe!

Referências

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto. Rio de Janeiro: José Olympio, 1952.

SCHWARCZ, Lilia Moritz (Org.). Contos completos de Lima Barreto. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

 


PUBLICAÇÕES

Obra individual

Recordações do escrivão Isaías Caminha. Lisboa: Clássica Editora, 1909. (romance).

As aventuras do Dr. Bogoloff. Publicação semanal às terças-feiras. Rio de Janeiro: Edição de A. Reis & C., 1912. (narrativas humorísticas).

Triste fim de Policarpo Quaresma. Rio de Janeiro: Tipografia Revista dos Tribunais, 1915. (romance).

Numa e Ninfa. Rio de Janeiro: A Noite, 1915. (romance).

Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá. São Paulo: Revista do Brasil, 1919. (romance).

Histórias e sonhos. Rio de Janeiro: Editora Gianlorenzo Schettino, 1920. (contos).

Publicações Póstumas

Os Bruzundungas. Rio de Janeiro: Jacintho Ribeiro dos Santos Editor, 1922. (sátira).

Bagatelas. Rio de Janeiro: Empresa de Romances Populares, 1923. (crônicas).

Clara dos Anjos. Rio de Janeiro: Mérito, 1948. (romance).

Feiras e Mafuás. São Paulo: Mérito,1953. (artigos e crônicas).

Marginalia: impressões de leitura, mágoas e sonhos do povo. São Paulo: Mérito, 1953. (crônicas).

Três contos: O homem que sabia javanês; Cló; A nova Califórnia. Ilustrações de Claudio Correia de Castro. Rio de Janeiro: Cem Bibliófilos do Brasil, 1955.

Coisas do reino do jambom: sátira e folclore. Prefácio de Olívio Montenegro. São Paulo: Brasiliense, 1956.

Vida Urbana. Prefácio de Antonio Houaiss. São Paulo: Brasiliense, 1956. (artigos e crônicas).

A nova Califórnia e outros contos. Seleção, apresentação e notas de Flávio Moreira da Costa. 2 ed. Rio de Janeiro: Renavan, 1994.

O subterrâneo do Morro do Castelo. 3. ed. Rio de Janeiro: Dantes, 1999. (novela).

Lima Barreto: toda crônica. 2 vol. Organização de Beatriz Resende e Raquel Valença. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

Contos reunidos. Organização de Oséias Silas Ferraz. Belo Horizonte: Crisálida, 2005.

Contos completos de Lima Barreto. Organização e introdução de Lilia Moritz Schwarz. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

Não Ficção

O destino da literatura. In: Revista Souza Cruz, outubro-novembro de 1921.

Diário íntimo. São Paulo: Mérito,1953. (memórias).

O cemitério dos vivos. Prefácio de Eugênio Gomes. São Paulo: Brasiliense, 1956. (memórias).

Correspondência. Prefácio de Antonio Noronha Santos. São Paulo: Brasiliense, 1956, 2 vol.

Impressões da Leitura. Prefácio de Manoel Cavalcanti Proença. São Paulo: Brasiliense,1956. (crítica).

Um longo sonho do futuro: diários, cartas, entrevistas e confissões dispersas. Rio de Janeiro: Graphia Editorial, 1993.

Antologias

Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Organização de Eduardo de Assis Duarte. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, vol. 1, Precursores.

 


TEXTOS

 


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

ANDRADE, Vanessa Escobar de. Composições binárias na obra de Lima Barreto. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Roma, Roma, 1977.

ANTÔNIO, João. Calvário e porres do pingente Afonso Henriques de Lima Barreto. Edição ilustrada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977. 90p.

ANTÔNIO, João. Dama do encantado. São Paulo: Nova Alexandria, 1996.

BANDEIRA, Manuel. Lima Barreto. In: Noções de história das literaturas. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1940, pp. 325 e 337.

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto: 1881-1922. Rio de Janeiro: José Olympio, 1952.

BEIGUELMAN, Paula. Por que Lima Barreto? São Paulo: Brasiliense, 1981.

BOSI, Alfredo. Lima Barreto e Graça Aranha. In: O pré-modernismo. São Paulo: Cultrix, 1967, p. 93-104. (Roteiro das grandes literaturas. A literatura brasileira, 5).

BRAYNER, Sonia. Lima Barreto: mostrar ou significar? In: Labirinto do espaço romanesco: tradição e renovação da literatura brasileira: 1880-1920. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1979. p. 145-176.

BROCA, José Brito. “Injustiças de um revoltado”. In: Pontos de referência. Rio de Janeiro: MEC, Serv. De Documentação, 1962, p. 116-120.

BROOKSHAW, David. Raça e cor na literatura brasileira. Trad. Marta Kirst. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

CANDIDO, Antonio. “Os olhos, o barco e o espelho”. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987. p. 39-50.

COELHO, Haydée Ribeiro. Lima Barreto. In DUARTE, Eduardo de Assis (Org.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, vol. 1, Precursores.

COELHO, Haydée Ribeiro. Retórica da ficção e do nacionalismo em Triste fim de Policarpo Quaresma: a construção da narrativa em Lima Barreto. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1981.

COUTINHO, Afrânio; SOUZA, J. Galante. Enciclopédia de Literatura Brasileira. São Paulo: Global Editora; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional/DNL: Academia Brasileira de Letras, 2001, vol. I, p. 325.

COUTINHO, Carlos Nélson. O significado de Lima Barreto na literatura brasileira. In: COUTINHO, Carlos Nélson et al. Realismo e anti-realismo na literatura brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974, p. 1-56.

CRUZ, Adélcio de Sousa. Lima Barreto: a identidade étnica como dilema. Dissertação (Mestrado em Letras/Estudos Literários) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

CURY, Maria Zilda Ferreira. Um mulato no reino de Jambom: as classes sociais na obra de Lima Barreto. Apres. de Maria Luíza Ramos. São Paulo: Cortez, 1981, 198p.

CURY, Maria Zilda Ferreira. Visão de mundo em Lima Barreto. Dissertação, (Mestrado em Letras/Estudos Literários) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1980.

DEALTRY, Giovanna Ferreira. Lima Barreto: os subterrâneos de uma Nação. [1994]. Disponível em: <https//Geocities.com/articles.html>. Acesso em 6 jun. 2016.

FANTINATI, Carlos Erivany. O negro na obra de Lima Barreto. In: Miscelânia, revista de Pós-graduação em Letras. Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Assis-SP, vol. 2. 1995, p. 103-125.

FANTINATI, Carlos Erivany. O profeta e o escrivão: estudo sobre Lima Barreto. São Paulo: Hucitec, 1978.

FANTINATI, Carlos Erivany. O profeta e o escrivão: estudos sobre Lima Barreto. São Paulo: Alpha-Hucitec, 1978.

FIGUEIREDO, Carmem Lúcia Negreiros de. Lima Barreto e o fim do sonho republicano. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

FIGUEIREDO, Maria do Carmo Lanna. O romance de Lima Barreto e sua recepção. Belo Horizonte: Lê, 1995.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Os cem anos de Lima Barreto: o negativista. In: Leia Livros, n. 35, maio-jun. 1981.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Em torno de Lima Barreto. In: Cobra de Vidro. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978, p. 131-146.

HOUAISS, Antonio. Os cem anos de Lima Barreto: o profeta. Leia Livros, n.35, maio/jun. 1981.

IANNI, Octávio. A questão racial no Brasil. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 maio 1981.

IANNI, Octávio. Literatura e consciência Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. Edição Comemorativa do Centenário da Abolição da Escravatura. São Paulo, nº 28, 1988.

LEITÃO, Eliane Vasconcellos. Entre a agulha e a caneta. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1990.

LINS, Osman. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976.

LUCAS, Fábio. O caráter social da literatura. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1970.

MAGNONI, Maria Salete. Imprensa como instância de poder: uma leitura das Recordações do Escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. 81 f. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) − Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

MARTHA, Alice Áurea Penteado. A tessitura satírica em Numa e a Ninfa. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Assis-SP, 1987.

MILLIET, Sérgio. Lima Barreto. Boletim bibliográfico. Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, v. 42, n. 3, jul-set. 1981, p. 67-70.

OAKLEY, Robert A. Alfa Ômega: Clara dos Anjos um romance revisitado. Suplemento Literário Minas Gerais. Belo Horizonte, 7 nov. 1991.

OAKLEY, Robert J. Lima Barreto e o destino da literatura. São Paulo: UNESP, 2011.

OLIVEIRA, Eduardo (Org.). Quem é quem na negritude brasileira. São Paulo: Congresso Nacional Afro – Brasileiro; Brasília: Secretaria Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, 1998.

PIRES, Antonia Cristina de Alencar. Confissões dispersas: ficção, memória e história em Lima Barreto. 1995. 264 f. Dissertação (Mestrado em Letras/Estudos Literários) − Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, Belo Horizonte,1995.

PRADO, Antônio Arnoni. Lima Barreto: o crítico e a crise. Rio de Janeiro: Cátedra: Brasília: INL, 1976.

SANTIAGO, Silviano. Uma ferroada no peito do pé: dupla leitura de Triste fim de Policarpo Quaresma. In: Vale quanto pesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982, p. 163-181.

SANTOS, Joel Rufino dos. “Sociedade e problemas raciais na obra de Lima Barreto”. In: SANTOS, Afonso Carlos Marques dos. (Org.) O Rio de Janeiro de Lima Barreto. Rio de Janeiro: Rio-Arte, 1982.

SANTOS, Joel Rufino dos. Revisita ao escritor negro Lima Barreto. Estudos Afro-asiáticos, Rio de Janeiro, n. 4, 1980, p. 63-70.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e invenção cultural na I República. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão. 2ª ed., São Paulo: Brasiliense, 1985.

SILVA, Marcos A. da. Funções ilusórias da imprensa em Lima Barreto. In: Humor e política na imprensa, os olhos do Zé do Povo (Fon-fon 1907 a 1910). Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.

SILVA, Maria Augusta de Almeida. O ufanismo em Triste fim de Policarpo Quaresma. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1994.

 


LINKS