DADOS BIOGRÁFICOS 

Nascido na cidade de Salvador em 1948 Ubiratan Castro de Araújo licenciou-se em História pela Universidade Católica de Salvador sendo também bacharel em Direito pela Universidade Federal da Bahia. Concluiu o mestrado em História pela Université Paris X-Nanterre e doutorado em História pela Université Paris IV-Sorbonne. Foi também Professor da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA, diretor do Centro de Estudos Afro-Orientais daquela Instituição, presidente da Fundação Cultural Palmares e do Conselho para o Desenvolvimento das Comunidades Negras de Salvador. Exerceu o cargo de diretor-geral da Fundação Pedro Calmon – Centro de Memória e Arquivo Público da Bahia. Esta Fundação atua na execução de políticas de promoção do livro e da leitura, na preservação da história e da memória do Estado, além da dinamização das bibliotecas e arquivos públicos. Recebeu títulos e diversos prêmios, dentre os quais destacam-se os da Academia Portuguesa de História, da UNEGRO - União dos Negros pela Igualdade, o Troféu Clementina de Jesus e a Medalha do Bicentenário da Restauração Portuguesa.

Um dos mais destacados pesquisadores da história e da cultura afro-brasileira, Ubiratan Castro de Araújo teve diversos trabalhos publicados, entre artigos, ensaios e livros. Dentre os primeiros, destacam-se “A política dos homens de cor no tempo da independência”, “Responsabilidade Pública e Direito à Igualdade do Cidadão Negro no Brasil” e “A baía de Todos os Santos: um sistema geohistórico resistente”. Intelectual orgânico, empenhou-se no combate à discriminação racial no Brasil e no mundo, participou ativamente dos Seminários Preparatórios e da própria Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata. Foi irmão professor da Venerada Ordem do Rosário de Nossa Senhora dos Homens Pretos às Portas do Carmo. Publicou os volumes historiográficos Guerra da Bahia (2001) e Salvador era assim - Memórias da cidade (1999).

Membro da Academia de Letras da Bahia, estreou na ficção com o livro de contos Sete Histórias de Negro (2006), cuja reedição em 2009, Histórias de negro, vem ampliada com mais cinco narrativas. Naquela obra encontra-se um Bira - como o autor era conhecido – provocador, bom contador de histórias que, nas palavras de João José Reis no prefácio de Sete Histórias de Negro, coloca “o preto no branco (...), onde consegue transferir o talento de sua oralidade para o exercício da escrita.” Seu principal interesse era a história do negro e suas lutas no tempo da escravidão, comprometendo-se também com a luta contra o racismo. Ubiratan Castro de Araújo Faleceu no dia 03 de Janeiro de 2013, em Salvador.

 


PUBLICAÇÕES

Obra Individual

Sete histórias de negro. Salvador: EDUFBA, 2006.

Histórias de negro. Salvador: EDUFBA, 2009.

Não ficção

Viagens e Observações de um Brasileiro. Por Antonio Moniz de Souza. 1a.. ed. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 2002. v. 1. p.218.

A Guerra da Bahia. 1. ed. Salvador: CEAO/EDUFBA, 2001. v. 1. p. 60.

Leituras da Bahia I. 1a.. ed. Salvador: Sperintendencia de Estudos Econômicos e Sociais d Bahia, 2000. v. 1. p.138.

Salvador era assim. Memórias da cidade. 1. ed. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 1999. v. 1. 1. p.76.


TEXTOS

 


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

 


LINKS