DADOS BIOGRÁFICOS

Anelito Pereira de Oliveira é mineiro, nascido em Engenheiro Navarro, em 1970. Morou em Bocaiúva, Montes Claros e, atualmente, reside em Belo Horizonte. Graduou-se em Letras na Universidade Federal de Minas Gerais, onde obteve, em 1998, o título de mestre em Teoria da Literatura. Atualmente cursa doutorado em Literatura Brasileira na USP, com pesquisa sobre a obra de Cruz e Souza.

É o criador e editor do Jornal Não, destinado à publicação de poesia, crítica e tradução, assim como do selo Orobó, surgido em 1997, numa tentativa bem-sucedida de criar um novo espaço para as publicações literárias em Minas Gerais, permitindo que estas estivessem em constante diálogo com publicações oriundas dos países da América Latina. Este selo é responsável pela publicação de revistas literárias e livros. Entre 1999 e 2002, foi editor do Suplemento Literário Minas Gerais, dando continuidade a uma tradição de mais de trinta anos. O projeto de execução deste periódico foi imaginado por Murilo Rubião, poeta mineiro, que foi também seu primeiro editor. O Suplemento é editado pela Secretaria da Cultura do Estado e é sem dúvida uma das mais importantes publicações do país no que se refere à produção literária, assim como se concretiza como um espaço de surgimento de novos poetas.

Anelito de Oliveira publicou Lama, seu primeiro livro, em 2000. O autor o define como um “poema longo-curto: longo pela intensidade imagética, curto pelo número de palavras”. O próprio autor, assim como alguns críticos, menciona o diálogo existente entre Lama e a obscuridade de Mallarmé ou a perturbação do sujeito como aparece em Fernando Pessoa. Em 2004, lançou Três Festas/A Love Song As Monk, no qual, nas palavras de Wilmar Silva, “o poeta explora com veemência o estado complexo do ser humano mergulhado em si e em seu espaço”. Anelito escreveu ainda ensaios sobre Machado de Assis, Cruz e Souza e alguns poetas contemporâneos.

 


PUBLICAÇÕES

Obra individual

Lama. Belo Horizonte: Orobó, 2000. (poesia).

Três Festas/ A Love Song As Monk. Belo Horizonte: Orobó Edições; Anome Livros, 2004. (poesia).

Transtorno. 1993/1996. Belo Horizonte: Orobó Edições, 2012, série Acontecimentos Criativos, v. 1. (poesia).

Mais que o fogo. 1997-2001. Belo Horizonte: Orobó Edições, 2012, série Acontecimentos Criativos, v. 2. (poesia).

A ocorrência. 2002-2003. Belo Horizonte: Orobó Edições, 2012, série Acontecimentos Criativos, v. 3. (poesia).

Traços [poema-andante]. São Paulo: Patuá, 2018. 

O iludido. Belo Horizonte: Páginas Editora, 2018. (contos).

 

Antologias

Na virada do século: poesia de invenção no Brasil. Organização de Claudio Daniel e Frederico Barbosa. São Paulo: Landy, 2001.

Poetas na biblioteca. Organização de Reynaldo Damásio. São Paulo: Memorial da América Latina, 2001.

Fenda (16 poetas vivos). Organização e introdução de Anelito de Oliveira. Belo Horizonte: Orobó, 2002.

Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. v. 3, Contemporaneidade. Organização de Eduardo de Assis Duarte. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

Não Ficção

Tensão barroca no simbolismo. Suplemento Literário de Minas Gerias. Belo Horizonte, abril de 1996, n. 12. Secretaria do Estado da Cultura de Minas Gerais, p. 16-19.

Da senzala ao balcão: o verso negro no Brasil. O Tempo, Belo Horizonte, p. 08, 1997.

A letra contra a língua. Suplemento Literário de Minas Gerais: Belo Horizonte, Abril, 1997, n. 24. p. 16-18.

Caldas Barbosa: a mancha na voz. Suplemento Literário de Minas Gerais. Belo Horizonte, novembro de 1997, n. 31. Secretaria do Estado da Cultura de Minas Gerais, p. 3-6.

Contestação da harmonia. In: Orobó, nº 01, Belo Horizonte, ago. 1997, p. 57-70.

A aurora das dobras: introdução à barroquidade poética de Affonso Ávila. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: FALE-UFMG, 1998.

Cruz e Souza – a cena do poeta. Suplemento Literário de Minas Gerais. Belo Horizonte, agosto de 1998, n. 40. Secretaria do Estado da Cultura de Minas Gerais, p. 3-7.

A letra no muro. In: O defunto e a escrita: Machado de Assis segundo Brás Cubas.

Palavras da pobreza: um novo paradigma narrativo. In: Orobó, n. 02, Belo Horizonte, ago. 1998, p. 89-100.

Organização de Anelito Pereira de Oliveira. Belo Horizonte: Orobó Edições, 1999. p. 43-58.

Filme de Sylvio Back atualiza questão negra. O Tempo. Belo Horizonte, p. 4, 2000.

A resistência à cultura. In: Jornalismo cultural – cinco debates. FCC Edições: Florianópolis, 2001. p. 43-57.

O chão e o céu. In: Jornal de resenhas. Organização de Milton Meira do Nascimento. São Paulo: Discurso Editorial, 2001.

Pobre Alphonsus! In: Jornal de resenhas. Organização de Milton Meira do Nascimento. São Paulo: Discurso Editorial, 2002.

Mundo de Dentro. Suplemento Literário de Minas Gerais. Belo Horizonte, março de 2003. Secretaria do Estado da Cultura de Minas Gerais. p. 23.

O arvoredo. São Paulo: Nankin, 2003.

Nascer, dobrar. In: Fortuna crítica de Affonso Ávila. Organização de Melânia Silva de Aguiar. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais/ Arquivo público Mineiro, 2006.

O clamor da letra: elementos de ontologia, mística e alteridade na obra de Cruz e Sousa. Tese de Doutorado. São Paulo: USP, 2006.

A aurora das dobras: introdução à barroquidade poética de Affonso Ávila. Montes Claros-MG: Inmensa, 2013.

 


TEXTOS


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

CUNHA, Alécio. Poesia nova. Hoje em dia, Belo Horizonte, 25/09/2000.

CUNHA, Alécio. Oliveira faz em Lama a política da escrita. Hoje em dia. Belo Horizonte: 29/10/2000.

PEREIRA, Maria Antonieta. Lama Resenha. In: Scripta n. 4. Belo Horizonte: PUC Minas, 2001.

PEREIRA, Edgard. Anelito de Oliveira. In DUARTE, Eduardo de Assis (Org.) Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Vol. 3, Contemporaneidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

 


LINKS