DADOS BIOGRÁFICOS

José do Nascimento Moraes nasceu em São Luis do Maranhão, no dia 19 de março de 1882 e faleceu em 22 de fevereiro de 1958, aos 76 anos. Foi poeta, romancista, cronista, ensaísta e jornalista. Além disso, alcançou os cargos de presidente da Academia Maranhense de Letras e professor do tradicional Liceu Maranhense, onde chegou a lecionar para Ferreira Gullar e José Sarney. Descendente de escravos, Nascimento Moraes lutou, por meio de artigos jornalísticos, muitas vezes publicados sob pseudônimo, contra o mesmo preconceito de cor que precisou superar para obter o reconhecimento profissional e literário. Também em sua literatura, o escritor abordou de maneira crítica a temática do preconceito racial, sendo que seu livro de maior destaque, Vencidos e degenerados, primeiramente publicado no Maranhão em 1915, discute as consequências do 13 de Maio de 1888. O romance faz uso do registro jornalístico para realizar uma espécie de retrato sociológico da sociedade maranhense do pós-abolição, entre o final do século XIX e o início do século XX, expondo sua face decadente. Sobre a obra, afirma Manoel de Jesus Barros Martins:

O cotidiano de São Luis, subsequente à abolição da escravatura, foi por ele mapeado anatomicamente, analisado sociologicamente e narrado com sagacidade e rigor dialético. Isso permitiu-lhe a montagem de um retrato multifacetado da vida ludovicense, no qual foram gravados com tinta naturalista (...) suas tensões sócio-culturais subjacentes, nuances da atmosfera abafadiça da decadência, reveladoras do desequilíbrio vigente em todo o corpo social tomado como objeto da narrativa. (MARTINS: 2002, 36).

O livro traz como personagem principal João Olivier que, assim como o escritor, é jornalista, luta contra injustiças sociais e é descendente de escravos.

José do Nascimento Moraes casou-se com Ana Augusta Mendes Moraes, com quem teve sete filhos: Nadir, Raimundo, João José, Ápio Cláudio, Talita, Paulo e José Os dois últimos, Paulo Nascimento Moraes e José do Nascimento Moraes Filho, obtiveram reconhecimento como importantes poetas e jornalistas. José do Nascimento Moraes Filho foi, inclusive, responsável pela descoberta e publicação de Úrsula, de Maria Firmina dos Reis, provavelmente o primeiro romance escrito por uma afrodescendente no Brasil.

Referência

MARTINS, Manoel de Jesus Barros. Rachaduras Solarescas e Epigonismos Provincianos: sociedade e cultura no Maranhão neo-ateniense: 1890-1930. Dissertação de mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2002. 


PUBLICAÇÕES

Obra individual

Puxos e repuxos - polêmica com Antônio Lobo e seguidores. São Luís: Tip. do Jornal dos Artistas, 1910.

Vencidos e degenerados. 1915. 4. ed. São Luís: Centro Cultural Nascimento de Moraes, 2000. (Romance)

Neurose do medo. 1923. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; São Luís: Secretaria de cultura do Maranhão, 1982. (Crônicas).

Contos de Valério Santiago. São Luís: SIOGE, 1972.


TEXTOS

 


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

ARAÚJO, Adriana Gama de. Em nome da cidade vencida: a São Luís republicana  na obra de José do Nascimento Moraes (1889 - 1920). 2011. 135 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

ARAÚJO, Ana Carusa Pires; SOUZA, Elio Ferreira de. Afrodescendência e identidade: um olhar sobre a obra Vencidos e degenerados, de Nascimento Moraes. In: FERREIRA, E.; BEZERRA FILHO, F.J.; COSTA, M.T.A. (Org.). Literatura e cultura afrodescendente e indígena: Brasil, Caribe, Colômbia e Estados Unidos. Vol. 5. Teresina: UESPI, 2017.

CARREIRA, Rosângela Aparecida Ribeiro. A paratopia testemunho-documental e o discurso da negritude em Vencidos e degenerados. 2015. 250 f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

CAVALCANTE, José Dino Costa; PEREIRA, Paloma Veras. O lugar dos excluídos em uma São Luís em ruínas: um olhar sobre o romance Vencidos e degeneradosRevista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade, São Luís, v. 3, n. 1, 2017.

FREITAS, Luís Oliveira. Na contramão da história: preconceito e protagonismo em Vencidos e degenerados, de Nascimento Moraes. Cadernos Zygmunt Bauman, São Luís, v. 8, n. 16, 2018.

MACHADO, Nauro. As esferas lineares. 2. ed. São Luís: Ética Editora, 2009.

MARTINS, Manoel de Jesus Barros. Rachaduras Solarescas e Epigonismos Provincianos: sociedade e cultura no Maranhão neo-ateniense: 1890-1930. Dissertação de mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2002.

MORAES, Jomar. Apontamentos de literatura maranhense. São Luís: SIOGE, 1976.

MÉRIAN, Jean-Yves. Vencidos e degenerados: um documento sociológico. In: NASCIMENTO MORAES, José do. Vencidos e degenerados. 4. ed. São Luís: Centro Cultural Nascimento de Moraes, 2000.

NASCIMENTO, Dorval do. Representações de intelectuais em Vencidos e degenerados, de Nascimento Moraes. Revista Outros Tempos, São Luís, v. 9, n. 14, 2012.

NAVAS-TORÍBIO, Luíza Garcia dos Nascimento. O negro na literatura maranhense. São Luís: Academia Maranhense de Letras: 1990.

NETO, Manoel. O Negro no Maranhão. São Luís: Clara Comunicação e Editora, 2004.

PEREIRA, Paloma Veras. As relações de poder em uma cidade em ruínas: o lugar dos excluídos no romance Vencidos e Degenerados. 2018. 176 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2018.

RÊGO, Eliana Campos Morais. O perfil de um negro, na primeira metade do século XX, em São Luís do Maranhão: José do Nascimento Moraes. São Luís: Universidade Estadual do Maranhão, 1997. Monografia de conclusão de curso de Licenciatura em História.

SANTOS, Maria Rita. Nascimento Moraes. In DUARTE, Eduardo de Assis (Org.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Vol. 1, Precursores. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. 


LINKS