DADOS BIOGRÁFICOS

Carlos Correia Santos nasceu em Belém, em 28 de setembro de 1975. Dono de múltiplos talentos, é advogado, jornalista, poeta, cronista, contista, dramaturgo, roteirista e romancista. Publicou contos e Poemas na série Cadernos Negros e em outras antologias, além de ter recebido vários prêmios pelas peças teatrais que escreveu. Agitador cultural em seu Estado, foi um dos fundadores do Clube do Escritor Paraense, do qual foi o primeiro presidente eleito. É presidente da ONG literária Companhia Amazônica do Livro e criador, coordenador e apresentador das programações literárias “Café com Verso e Prosa” (Belém), “Café com Leituras” (Castanhal) e “Estrada das letras – Sarau viajante” (Marabá, Santarém e Macapá). Violinista e letrista, Correia é parceiro musical de nomes como Nilson Chaves e Lucinha Bastos. Assina a seção “Contando um conto”, no jornal paraense O Liberal e no Portal ORM. Colabora publicando com seus contos no periódico O Estado do Acre e nos sites BV News (Roraima), Amapá Digital (Amapá), Manaus On Line (Manaus), Madeira On Line (Rondônia) e Timor On Line (Timor Leste).

Foi ganhador do I Concurso de Literatura promovido pela Prefeitura Municipal de Belém, em 2003, com o conto “Toda saudade é vil e vã”. Em 2004, conquistou o primeiro lugar na Categoria Teatro Adulto, do Prêmio Funarte de Dramaturgia, com o texto “Júlio Irá Voar”, baseado na vida do inventor paraense Júlio Cezar Ribeiro de Souza. A adaptação da vida do cientista para o teatro tenta reparar um equívoco histórico. Júlio Cezar, o paranaense inventor dos princípios básicos da aerodinâmica, teve seus projetos plagiados pelos franceses Arthur Krebs e Charles Renard, oficialmente aclamados como mestres da aviação. Segundo consta, Santos Dummont teria se baseado também nos estudos do cientista para desenvolver seus protótipos. Nesse mesmo ano, Santos foi agraciado com o Prêmio IAP de Literatura, Categoria Teatro com a peça Nu Nery, baseada em traços biográficos do pintor e poeta Ismael Nery. Suas peças já foram traduzidas para o francês e espanhol e foram apresentadas em Belém, São Luís, Natal, Recife, Camaçari, Piracicaba, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Alguns nomes importantes, como Stella Miranda, já assinaram a direção de suas peças.

Adiciona-se à vasta lista de premiações sua primeira obra poética, O Baile dos versos, saudada pela Academia Brasileira de Letras, em 1999. Em 2008, foi agraciado com o “Prêmio de Literatura Dalcídio Jurandir”, com o romance Velas na tapera, publicado no ano seguinte. Em 2009, mais uma vez, o escritor foi o vencedor da categoria dramaturgia, com o texto Não conte com o número um no reino de Numesmópolis, do III Concurso de Literatura para Todos, promovido pelo Ministério da Educação. No cinema, recebeu o “Prêmio do Edital Curta Criança do Ministério da Cultura”.

 


PUBLICAÇÕES

Obra individual

O baile dos versos. Rio de Janeiro: Litteris Editora, 1999. (Poesia).

Nu Nery. Belém: IAP, 2004. (Dramaturgia).

Poeticário. Belém: ed. do autor, 2005 (Poesia).

Ópera profana. Manaus: Muiraquitã, 2007 (Dramaturgia).

Batista. Belém: IAP, 2008. (Dramaturgia).

Velas na Tapera. Belém: [s. n.], 2009. (Romance).

 

Antologias

Livreto das preces poéticas. Belém: Gráfica Amazônia Impressos, 1998. (Poemas).

Cadernos negros 21: poemas afro-brasileiros. Organização de Esmeralda Ribeiro, Márcio Barbosa e Sônia Fátima da Conceição. São Paulo: Quilombhoje: Editora Anita, 1998.

Revelações Brasileiras da Poesia. Porto Alegre: SHAN Editores, 1998.

Fica aí, Ernesto! In: LASSANCE, Josette; SAVARY, Olga; SANTOS, Carlos Correia et. al. No último desejo a carne é fria. Belém: edição dos autores, 2005.

Valores Literários Brasileiros. Revista Brasília. Brasília: [s.n.; s. d.].

Revelações Brasileiras – Série Especial. Porto Alegre: SHAN Editores, 1999.

Agenda 2000. Rio de Janeiro: Litteris Editora, 2001.

Timor Esperança. Porto Alegre: SHAN Editores, 2000.

Novos Rumos da Poesia. Porto Alegre: SHAN Editores.

Poesia para os 500 anos do Brasil. Edição Do Clube Dos Editores Paraenses, [s. d.].

Poesia do Grão-Pará. Organização de Olga Savary. Belém: Editora Graphia e Prefeitura Municipal de Belém, 2001.

Palavras de Amor. Rio de Janeiro: Casa Novo Autor/Litteris Editora, 2000.

Juras de Amor. Rio de Janeiro: Litteris Editora, 2007.

GRIEBLER, João Weber (Org.). Letras Contemporâneas II. Porto Alegre: Igaçaba Produções Culturais, 1999.

VII CONCURSO de Contos da Região Norte. 11 Contistas da Amazônia. Belém: Editora Universitária, 2003.

VIII CONCURSO de Contos da Região Norte. [S. l.]: Editora Universitária, 2005.

Biblioteca Mabú. In: Coletânea do Prêmio Funarte de Dramaturgia 2003. Região norte - categoria infanto-juvenil. Rio de Janeiro: Funarte, 2003. (dramaturgia).

Júlio Irá Voar. In: Coletânea do Prêmio Funarte de Dramaturgia 2004, Região Norte. Rio de Janeiro: Funarte, 2004.

Ludique. In: Coletânea do Prêmio Funarte de Dramaturgia 2005, Região Norte. Rio de Janeiro: Funarte, 2005.

 

Não Ficção

O Não Riso em Dom Quixote – Cacos de Ludíbrio do Humor. Asas da Palavra – Revista do Curso de Letras. Manaus, Centro de Ciências Humanas e Educação da Universidade da Amazônia, vol. 09, 2005. Edição comemorativa aos quatrocentos anos do livro Dom Quixote.

 


TEXTOS

 


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

Cadernos negros 21: poemas afro-brasileiros. Organização de Esmeralda Ribeiro, Márcio Barbosa e Sônia Fátima da Conceição. São Paulo: Quilombhoje: Editora Anita, 1998.

LOUZEIRO, José. “Personagem emblemática”. Disponível em: <http://ronaldofranco.blogspot.com/2009/01/personagem-emblemtica.html>.


LINKS