DADOS BIOGRÁFICOS

Maria de Lourdes Teodoro nasceu na cidade de Formosa-GO, antiga Vila dos Couros, em 4 de junho de 1946, filha de Ana Julieta Teodoro e de Antonio Teodoro Filho. Graduou-se em Letras, pela Universidade de Brasília e logo em seguida atuou como professora de literatura francesa do CEUB. Ainda estudante, idealizou e coordenou a edição do primeiro livro escrito por jovens do Distrito Federal, então alunos do Colégio Elefante branco. Em 1972, recebeu o Certificat de Hautes Études de Lettres et Civilization Française, na Faculdade de Letras e Ciências Humanas de Aix-en-Province. Em 1984, concluiu seu doutorado em Literatura Comparada na Universidade de Paris III – Sorbonne Nouvelle –, defendendo tese sobre “Modernismo e Negritude”, em que analisa identidades culturais brasileira e antilhana. Foi Professora visitante da Universidade de Haward e pesquisadora visitante do Instituto W.E.B. Du Bois. De volta ao Brasil, tornou-se professora da UnB em 1986. Mais tarde, foi responsável pela organização do Prêmio Lélia Gonzalez de Educação, no âmbito do Prêmio ANDES-SN de Arte Universitária Brasileira, realizado no biênio 1998-2000. Trabalhou também no Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-brasileiros – IPEAFRO, como pesquisadora e coordenadora substituta do Curso de Conscientização da Cultura afro-brasileira, organizado por Abdias Nascimento junto à Universidade Católica de São Paulo. Em Angola, ministrou seminários sobre arte e identidade cultural e no Senegal participou do Colóquio Internacional pelo Trintenário do Código Negro, texto concebido no reino de Louis XIV para “moralizar” a imoralidade da escravidão nas colônias francesas. Em Bukina Faso, antigo Alto Volta, participa em 1991 da Assembléia Constitutiva do IPN - Instituto dos Povos Negros, fundado com o propósito de reunir os profissionais de ascendência africana na África e na Diáspora, mobilizados em defesa do povo negro, onde também estiveram Abdias do Nascimento e Lélia Gonzales, e com esse espírito colabora para a fundação do Congresso Nacional Afro-Brasileiro em 20 de novembro de 1995, em São Paulo.

Em sua estada na França, colaborou com artigos e poemas nos periódicos Presence Africaine e Le Soleil Éclate. Destaque-se a participação no número especial de Le Soleil Éclate dedicado aos 70 anos do poeta Aimé Cesaire, um dos líderes do movimento da Négritude, nas décadas de 1930 e 1940. Já na Presence Africaine publicou também um valioso panorama histórico e crítico da literatura negra no Brasil. Ao longo de sua carreira de escritora e pesquisadora, Lourdes Teodoro desenvolve uma ativa participação em eventos nacionais e internacionais de reflexão sobre as culturas oriundas da diáspora africana nas Américas, bem como de inúmeras iniciativas de combate à discriminação racial. De acordo com Fernanda Felisberto, “sua trajetória nas mais diferentes culturas permitiu que a autora construísse uma poética com bases cosmopolitas.” E, em seguida, acrescenta: “o comprometimento com questões históricas e sociais se traduz de forma transversal na obra de Lourdes Teodoro, e seu engajamento nas lutas antirracismo, nos mais diferentes níveis, se reflete no poema “Negrícia”, em que o eu lírico desvela as várias faces assumidas pelo preconceito nas diferentes esferas sociais, inclusive entre pares.” (FELISBERTO, 2011, p. 244-5).

Referências

FELISBERTO, Fernanda. Lourdes Teodoro. In DUARTE, Eduardo de Assis (Org.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, v. 2, Consolidação.

 


PUBLICAÇÕES

Obra individual

Água Marinha, Ou Tempo Sem Palavra. Brasília: Edição da Autora, 1978. (poesia).

Fabiano Teimosia. Brasília: Edição da autora, 1978. (cordel)

Canções do Mais Belo Incesto e Poemas Antigos. [S.l.]: [s.n.], [s.d.]. (poesia)

A História de Zé da Bóia. In Revista CIMI – Conselho Indigenista Missionário. Ilustração Hans Garten. 1979. (Cordel)

Flores de Goiás, Brasília: Ed. da Autora, 1994.

Paysage em attente. Brasília: Ed. da Autora, 1995.

Poemas Antigos. Brasília: Ed. da autora, 1996.

Antologias

Soleil éclaté: mélanges offerts à Aimé Césaire à l'occasion de son soixante-dixième anniversaire. Tübingen: G. Narr, 1984.

Schwarze Poesie / Poesia Negra. (Org. Moema Parente Augel). Köln/S. Gallen/São Paulo: Edition Diá, 1988.

Doughters of Africa: An International Anthology of Literature by Women from Ancient Egypt to the Present day. (Org. Margaret Busby e Jonathan Cape). London /New York: Pantheon Books; Random House, 1992.

Outros poemas, coletivo de poetas. Brasília: Sindicato dos professores do Distrito Federal, 1992.

Parnassus of world poets. (Org. Ramasamy Devaraj). Saidpet, Madras, India, Ed. Todhunter Nagar, 1995.

Finaly US/ Finalmente nós. (Org. Carolyn R. Durhan e Alves, Miriam Alves). Colorado Springs: Three Continental Press, 1995.

Não ficção

Negritude e Modernismo: Raça e Identidade Cultural. [S.l.]: [s.n.], [s.d.].

Moi, laminaire ou la force de regarder demain: Vu du Brasil. In Presence Africaine: Revue Culturelle du Monde Noir/Cultural. vol. 126, Paris, France, 1983.

La Tragedie du Roi Chritophe, une utopie mal éclose. In: Images et Mythes d´Haiti – El Reino de este mundo Alejo Carpentier – La Tragedie du Roi Christophe, Aimé Césaire, Iles de Tempête, Bernard Dadié. Org. Daniel-Henri Pageaux. Paris, Editions L´Harmattan; Sorbonne Nouvelle-Paris III, 1984.

O tricentenário do Código Negro. In Humanidades N° 11 – Ser Constituinte: O povo inventando o povo? Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1986/1987.

Fricote: swing. Brasília: Thesaurus, 1986. (ensaio)

Negritude e tigritude. In Humanidades N° 17: Dívida Externa a escravidão do século XX. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1988.

Elementos básicos das políticas de combate ao racismo brasileiro. In Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. Munanga, Kabengele (org.), São Paulo, Estação da Ciência – Edusp. 1996.

Mulher Negra: Visibilidade e Cidadania Plena. In Revista Palmares 3: O Olhar da mulher negra – O resgate de Chica da Silva. Fundação Cultural Palmares – Ministério da Cultura, Brasília-DF. 1996.

Modernisme Brésilien et Negritude Antillaise: Mario de Andrade et Aimé Césaire – Paris: Éditions L´Harmattan, 1999.

Art and cultural identity in Brazil. In Art and Cultural Identity in Brazil. Vol. 3, N.°1, Autumn 2000.

Negritude e Modernismo: Raça e Identidade Cultural. [S.l.]: [s.n.], [s.d.].

 


TEXTOS

 


CRÍTICA


FONTES DE CONSULTA

OLIVEIRA, Eduardo (Org.). Quem é quem na negritude brasileira. São Paulo : Congresso Nacional Afro – Brasileiro ; Brasília : Secretaria Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, 1998. p.194.

Enciclopédia de literatura brasileira. Direção de A. Coutinho e J. Galante de Sousa. 2 ed. rev., ampl., il., sob coordenação de Graça Coutinho e Rita Moutinho. São Paulo: Global Editora; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional/DNL: Academia Brasileira de Letras,2001.

FELISBERTO, Fernanda. Lourdes Teodoro. In DUARTE, Eduardo de Assis (Org.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Vol. 2, Consolidação. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

 


LINKS