DADOS BIOGRÁFICOS

Débora Garcia é poeta, cantora, atriz, gestora cultural e assistente social formada pela UNESP. Desde a infância vive com a sua família em Itaquera, zona leste de São Paulo. Atua na Associação Cultural Literatura no Brasil, em Suzano, desde 2009.

Trabalhou durante oito anos no CRAS – Centro de Referência de Assistência Social, também em Suzano. Hoje, continua no serviço social, mas atua no sistema judiciário atendendo mulheres vítimas de violênciaEm sua atividade profissional insere a literatura para fomentar a empatia e o diálogo com as pessoas.

A autora desde sempre participou de várias antologias, incluindo os Cadernos Negros e publica em seu blog e em seu canal do YouTube, sendo também colunista no jornal digital Brasil de Fato.

A escritora participa de saraus desde 2008 e é uma das idealizadoras do “Sarau das Pretas”, no qual dança, literatura e música se complementam em suas performances. Para ela, levar os saraus até a periferia é uma forma de dialogar com todas as pessoas sobre temas que dificilmente chegariam até elas como o feminismo e empoderamento negro, recorrentes em suas obras. A autora também leva os saraus até escolas públicas de sua cidade, por meio da Associação Cultural Literatura do Brasil, apresentando uma manifestação literária que encontra acolhida entre jovens periféricos e os incentiva a ler e produzir literatura.

Em entrevista a Lia Capecce, disponível no site Medium, a escritora fala sobre sua jornada no mundo literário. Confira alguns trechos:

O começo na literatura: “Na escola, as leituras obrigatórias eram mecânicas e eu não conseguia me identificar com o que aqueles homens brancos e aristocratas escreviam. O Quarto de despejo, da Carolina de Jesus, foi a primeira literatura que dialogou comigo. Ela morava na favela do Canindé e escrevia em seus diários sobre as dificuldades que passava como catadora de lixo na década de 50. Ela me fez entender que uma mulher negra da periferia também pode fazer literatura”.

Livro Coroações: “Definir o conteúdo foi difícil. Eu tinha muita coisa escrita e um bom livro de poesia precisa ter um fio condutor bem definido para não ser apenas poemas soltos. Durante esse processo, eu estava assumindo meu cabelo crespo. Quando cortei meu cabelo alisado, vi meu cabelo de verdade, um black lindo. Foi a primeira vez que me olhei no espelho e gostei do que vi. Meu cabelo era uma coroa. Eu nasci coroada e estava negando isso. Foi assim que surgiu o conceito do Coroações. O livro tem três capítulos. Cada um deles é uma coroa. A primeira é a Coroa de Espinhos e traz poemas sobre dor, política e a questão social no Brasil — muitos vieram da minha experiência com o serviço social. O segundo capítulo chama Coroa de Flores e fala sobre o processo de escrita e tem poemas eróticos e sobre família. O último capítulo chama Ojá, que é como a cultura do candomblé chama esse pano que se usa na cabeça e as pessoas chamam de turbante. Nele, eu trago a reflexão sobre a cultura brasileira, a ancestralidade e a mulher negra. O livro foi lançado em 2014 e me fez crescer como escritora”.

Referência:

Conheça Débora Garcia. Entrevista concedida a Lia Capecce em 2017. Disponível em: https://medium.com/@liacapecce/conhe%C3%A7a-d%C3%A9bora-garcia-52d8ba402374. Acesso em: 03 de ago. de 2020.

__________________________________

PUBLICAÇÕES

Obra individual

Coroações – Aurora de poemas. São Paulo: Edição do autor, 2014. (poesia)

Antologias

Cadernos Negros 34. Organização de Esmeralda Ribeiro, Márcio Barbosa. São Paulo: Quilombhoje, 2011. (contos).

Cadernos Negros 35. Organização de Esmeralda Ribeiro, Márcio Barbosa. São Paulo: Quilombhoje, 2012. (poesia).

Antologia Comunidade do Conto. São Paulo: Edição do autor, 2012.

Erês e Heranças. São Paulo: Quilombhoje, 2012. (contos).

Antologia Marginal: Baseado de ponta. São Pulo: Edição do autor, 2012.

Cadernos Negros 36. Organização de Esmeralda Ribeiro, Márcio Barbosa. São Paulo: Quilombhoje, 2013. (poesia).

Cadernos Negros 41. Organização de Esmeralda Ribeiro, Márcio Barbosa. São Paulo: Quilombhoje, 2018. (poesia).

 

TEXTOS

 


CRÍTICA

 


FONTES DE CONSULTA

COSTA, Juliana Cristina. Débora Garcia: Poesia e luta feminista – “A negra quer falar, sua condição denunciar”. Rio de Janeiro: Anais ABRALIC: Associação Brasileira de Literatura Comparada, p. 5528 – 5534, 2017. Disponível em: https://abralic.org.br/anais/arquivos/2017_1522246989.pdf. Acesso em: 3 de ago. de 2020.

 

LINKS

Débora Garcia – Brasil de Fato

Conheça Débora Garcia - Medium

Débora Garcia – Página no Facebook

Débora Garcia lança primeiro livro Coroações – Aurora de poemas

O cabelo crespo é a coroa da mulher negra

Poeta: Débora Garcia – Canal Manos e Minas

Débora Garcia – Canal Poesia Marginow

Débora Garcia: Mulheres reais – Canal Débora Garcia Poetisa

Débora Garcia – Canal no YouTube

Débora Garcia – poetisa e escritora - 2ª FLIMP - Feira Literária/SP – Canal TV ArtMultCultural

Um conto de Débora Garcia

Débora Garcia Poetisa – Blogspot